revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #55 - Dezembro 2017

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Da Teoria U para a Liderança Renovadora

Tomei conhecimento, há alguns anos, da Teoria U, desenvolvida pela equipe de pesquisas pedagógicas do - Massachusetts Institute of Technology, trazida ao mundo inicialmente pelo livro “Presença – Propósito Humano e o Campo do Futuro, em 2004, e aprofundada por Otto Scharmer no livro “Teoria U – Como Liderar pela Percepção e Realização do Futuro Emergente”, em 2006.

Tive a oportunidade de conhecer, há poucos anos, tanto Peter Senge como Otto Scharmer, assim como alguns outros consultores e teóricos do MIT.

Isto veio de encontro à minha busca de instrumentais para processos de mudanças e de inovação paradigmática, para lidar com as sucessivas e rápidas transformações pelas quais passa o mundo atual, com situações cada vez mais complexas, diante das rápidas mutações pelas quais estão passando os paradigmas de sustentação dos modelos de organização e convivência humana.

Após estudos e workshops com o próprio autor Otto Scharmer, passei a utilizar a Teoria U como uma ferramenta de ordenação mental e de processo decisório em atividades de Mentoring e Coaching junto a meus clientes, pois ela propunha passos sequenciais para resolução de situações mais complexas, em três níveis de profundidade – Mente aberta, Coração Aberto e Vontade Aberta. A Teoria U vem da simples letra U. Adentra-se por um lado seguindo os passos e emerge-se do outro lado com o processo completo.

  • O processo começa pela “Aceitação” do fato, da questão, do problema, da realidade tal qual se apresente, com seu histórico, seus padrões e sua imagem atual.
  • O segundo passo é “Abrir a Mente”, suspender qualquer juízo e observar, observar, observar. É hora de deixar ir os julgamentos, modos de pensar e agir. Agora, o objetivo é o de enxergar os fatos com um novo olhar.
  • O próximo passo é “Abrir o Coração”, conectar-se à realidade que está aí, senti-la como é. É hora de sentir o que é realmente importante para a questão que está sendo trabalhada e limpar a mente das reações emocionais do “gosto-não gosto”.
  • E, então, “Abrir a Vontade”, isto é, esvaziar a mente de todo impulso de fazer, é “Deixar Ir” todas as experiências passadas e ir ao nível mais profundo e complexo de seu interior, ao ponto a partir do qual todas as mudanças acontecem, e a partir de onde nada e nem ninguém será mais o mesmo. Dá-se, então, o mergulho no Vazio, o deixar-se tomar pela Presença (é o Presencing) e “Deixar vir” o novo, novas ideias e possibilidades, deixar vir o futuro que dessa Fonte Maior está emergindo. A Vontade Aberta corresponde ao fundo do U, onde Otto Scharmer propõe que utilizemos a postura meditativa de Presencing, que coincide com a proposta do Mindfullness ou Atenção Plena.
  • Agora a mente, seja individual, seja de um grupo em laboratório vivencial, está aberta para o “Deixar Vir”. O novo então se evidencia, num processo profundamente intuitivo. Este novo vai se confrontar com a intenção mais profunda que direciona o campo, intenção esta pulsando na vibração da sabedoria do campo. Há que verdadeiramente agarrar este novo que emerge para, no dizer de Scharmer, “Cristalizar”, isto é, transformá-lo em uma proposta ou decisão de ação.
  • O próximo passo é testar na prática o que emergiu, fazendo o que Scharmer denomina de “Prototipar”, experimentar sua viabilidade e suas nuances num pré-projeto, a fim de amadurecer a nova ideia, que geralmente se remete ao ‘deixar ir’ de conceitos e teorias tradicionais, para criar um novo espaço teórico e metodológico, indicativo de novos caminhos diretivos do processo. O planejamento decisório, que daí segue, se torna verdadeiramente renovador, rumo a realizações mais condizentes com as verdadeiras necessidades e aspirações do campo – seja pessoal, seja corporativo e organizacional.
  • A “Realização” corresponde à implantação e gestão do projeto, fazendo acontecer progressivamente o novo direcionamento e as correspondentes ações planejadas.

A Teoria U veio ao encontro de minhas buscas! O Presencing coincide demais com a ideia do Vazio Criativo, que vinha encontrando eco em meu interior a partir de experiências vivenciadas em encontros com mestres orientais, especialmente o milenar budismo e taoísmo em sua atual conformação à realidade ocidental.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coaching Interno e a musicalidade do Coaching de Equipas

Prelúdio Investir em Coaching Interno reflete o grau de maturidade das Empresas que apostam numa cultura sustentada de desenvolvimento dos seus recursos mais valiosos, as pessoas. Esta é uma história na primeira pessoa, uma história que desejo partilhar com o leitor. Convido-o a visitar o mundo do Coaching de Equipas dentro de uma Empresa portuguesa de grande dimensão. Esta... leia mais

16 minutos

Autocompaixão: o cuidado começando por nós

Quando um amigo querido não está bem, normalmente temos o impulso de ajudá-lo. Buscamos acolher seus sentimentos, usar um tom de voz suave e nossas melhores palavras. Já quando se trata de nós mesmos e de algum sofrimento, sentimento de inadequação ou de falha que vivenciamos, tendemos a nos tratar diferente. Costumamos acionar nossa autocrítica e um tom de voz interno mais áspero.... leia mais

15 minutos

O Codesenvolvimento é Sistêmico

Já vou me adiantando aqui para dizer que este artigo tem mais perguntas que respostas, pois é ali, no não saber a resposta, que brota nossa curiosidade e vontade de saber mais, de experimentar. Espero aqui trazer uma boa oportunidade para explorar o território do sistêmico e complexo através do Codesenvolvimento. Antes de mergulhar nos aspectos sistêmicos-complexos do Codesenvolvimento,... leia mais

13 minutos

O encontro cármico entre o coach e o cliente

Quando um ser humano olha de forma comprometida a sua própria história de vida, observa que ela não é uma simples sucessão de fatos e datas, mas um caminho de desenvolvimento que passa por diversos aspectos como saúde, aprendizado, profissão, processo de busca de emancipação e autonomia. Todos estes aspectos apenas são possíveis através dos encontros. Se olharmos, não do ponto de... leia mais

14 minutos

Comunicação Autêntica: Tecituras de resgate ao humano dentro e fora das plataformas digitais

Nunca se falou tanto sobre autenticidade. Sua aplicação em nosso cotidiano tem sido estimulada por meio de imperativos que se fazem presentes em frases como “seja você mesmo”, “solte a sua voz” ou até mesmo “viva a sua verdade”. Embora esse movimento seja legítimo e tenha como plano de fundo encorajar a formação de pessoas livres de padrões impostos e a construção de uma... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium