revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #48 - Maio 2017

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Neuroliderança – Dor Social – Modelo SCARF

Em um cenário economicamente difícil, imprevisível, dinâmico, globalizado, multi-geracional, com maior pressão por resultados, inseguro, complexo e com pessoas divididas entre “ser-humano” ou “ser-profissional”, faz-se cada vez mais necessária a presença de líderes que, a despeito da turbulência e insegurança que acontecem do lado de fora, sejam capazes de criar um ambiente de trabalho desafiador, onde as pessoas encontrem suporte, apoio, segurança e desenvolvimento, e assim estejam aptas para entregar os melhores resultados.   

E neste contexto surge a Neuroliderança, a arte de liderar apoiada pelos conhecimentos e descobertas da neurociência; um novo olhar que ajuda nossos líderes a compreender as motivações e a origem dos comportamentos das pessoas, trazendo importantes descobertas e ferramentas que podem estimular positivamente o Sistema Nervoso, permitindo que as pessoas trabalhem mais focadas e felizes e, consequentemente, sejam mais produtivas e assertivas.

São muitas as descobertas da neurociência que impactam o comportamento humano e, consequentemente, a liderança, e umas das mais importantes é que o cérebro é muito mais emocional e social do que racional. E com base nisso, a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) constatou que, para o cérebro humano, dor física e dor social são interpretadas da mesma forma. Um ato de rejeição, exclusão, injustiça, humilhação ou discriminação, para o cérebro, significam o mesmo que um soco no estômago ou um tapa na cara. Segundo os pesquisadores, a dor social (dor da rejeição) pode ter se desenvolvido por causa da importância dos elos sociais para a sobrevivência da maioria dos mamíferos, e que mostram como nossa necessidade por relação social está profundamente enraizada.

Com base na “dor social” e no fato de que o cérebro é programado para responder imediatamente a perigos que possam ameaçar nossas necessidades básicas e fundamentais, afetando diretamente a capacidade de criar, trabalhar bem em equipe e tomar boas decisões, David Rock, presidente do Neuroleadership Institute, criou o Modelo SCARF, que nos ajuda a estruturar ações mais alinhadas às expectativas do cérebro social, minimizando a resposta “de ameaça” e ampliando a resposta “de recompensa”. O acrônimo SCARF está relacionado às cinco dimensões do modelo proposto por David Rock: Status, Certainty (Certeza), Autonomy (Autonomia), Relatedness (Relacionamento) e Fairness (Justiça ou Equidade). Vejamos o que significa cada dimensão do Modelo SCARF:

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A mudança de moralidade já aconteceu

Quando escrevi os Movimentos Humanos em 2014, o primeiro deles, A Desestruturação – movimento que aponta a quebra de estruturas que sustentam o status quo consolidado –, foi o mais óbvio a ser notado e explicado. De lá para cá, já andamos fortemente e retrocedemos rapidamente em diversos pontos. Ora ficava feliz ao perceber que estávamos escolhendo um novo status quo que se mostrava... leia mais

13 minutos

Situações complexas em coaching executivo relativas ao coachee

Apresentado no Converge por Ana Pliopas O nome da conferência da ICF, converge, pode ser visto como a convergência entre ciência e prática em coaching. Apresentar o resultado de pesquisa acadêmica no converge amplia o diálogo entre temas que pesquisadores aprofundam em seus estudos e assuntos instigantes com os quais coaches se deparam na prática. Tenho um interesse particular por... leia mais

10 minutos

Contribuições das Constelações ao Coaching Executivo

Acaso você imaginaria um CEO de uma grande empresa, MBA em Harvard, fazendo uma constelação como passo inicial de um processo de coaching?  Isso aconteceu, e nos economizou algumas sessões, ou, se preferir, tornaram o processo de coaching mais cirúrgico. O CEO em questão chega ao meu escritório para uma entrevista inicial para um processo de coaching. Contexto: Ele é jovem, ocupa a... leia mais

11 minutos

O que realmente sabemos sobre conflitos organizacionais no Brasil?

Um conflito pode ser gerenciado?  De que forma? Quais as causas dos conflitos organizacionais? Qual o papel da área de Recursos Humanos na resolução dos conflitos? Para responder a essas e outras questões relacionadas ao tema conflitos nas organizações, a ABRH-SP vem promovendo, desde 2016, uma pesquisa junto aos seus associados e com divulgação ampla e aberta a todo o mercado... leia mais

11 minutos

Por uma expansão da consciência

Se eu tivesse que escolher uma única coisa desta edição para você levar para sua vida, seria isso: Na Era da Consciência não podemos mais contribuir com ações feitas sem pensar.    Vivemos num ritmo alucinante e estamos testemunhando a crescente onda de burnouts, FOMO (Fear of Missing Out – medo de ficar fora das redes sociais), vício em telas e... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium