revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #47 - Abril 2017

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Coaching com Psicodrama e o uso do Objeto Intermediário (OI)

Nestes 35 anos trabalhando com Coaching com Psicodrama, concluímos que o Objeto Intermediário (OI) é um grande aliado durante o processo, auxiliando o coach no seu trabalho e o coachee nas suas descobertas.

Apesar do Psicodrama e do Sociodrama terem sido criados pelo médico Jacob Levy Moreno como intervenções terapêuticas, a primeira visando o ser humano e a segunda os grupos, suas possibilidades no Coaching logo foram percebidas.

Segundo Romaña (1996), a arte de estimular as pessoas a pensarem sistemicamente sobre um problema a ser resolvido facilita encontrar uma saída saudável. O método baseado no Psicodrama exige que o coachee entre em contato com o conhecimento que ele já possui, que é valorizado e aceito. O método permite testar numa situação “viva” ou real, a validade do comportamento que foi incorporado através da rotina.

O OI começou a ser usado a partir das ideias de Rojas-Bermudez (1969). A ideia é não se dirigir diretamente ao coachee, mas sim por meio de algo como uma figura, desenhos, quadros, bonecos, máscaras ou objetos em geral, que facilitem a comunicação não invasiva. Qual objeto e o momento de fazer dependem do grau de ensimesmamento do coachee e das respostas que se obtém.

Do ponto de vista prático, o OI é qualquer objeto que funcione como facilitador do contato e da comunicação entre duas ou mais pessoas, como veículo de expressão e afeto. Do ponto de vista da conceituação teórica, este termo foi cunhado devido à própria qualidade do objeto em intermediar a passagem do estado de alarme, ou campo tenso, para o campo relaxado (Schmidt, 2006)

O OI amplia a visão além do problema/situação e pode ser usado nos trabalhos de consultoria, no coaching e nas intervenções sociodramáticas em geral. Ele é um facilitador para criar e recriar o cenário do coachee, facilita entender a espacialidade onde as coisas acontecem dentro e fora dele, e a temporalidade onde o passado ainda é presente. Permite perceber que ainda está ligado a algum fato que se passou para então, criar o futuro trabalhando os medos, fantasias e possibilidades. Amplia o universo do sujeito, interroga o que é invisível (Merleau–Pointy, 1977).

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Quebrando o status quo: Felicidade ou conformismo

De acordo com a famosa pirâmide de Maslow e versões atualizadas de pirâmides de necessidades, o ápice de felicidade de uma pessoa está na autorrealização. Para alcançar esse topo, muitas coisas são propostas, como aproveitar os momentos, amor-próprio, resiliência, autoconhecimento e a lista se estende. Não se engane, cada um desses pontos é importante, porém são... leia mais

12 minutos

Perder-se na multidão para encontrar-se

“Você pode se afastar?” Aquelas palavras me tomam com surpresa e certa incredulidade, e peço para ela repetir. Mais uma vez, escuto a frase adicionada de “você está invadindo o meu espaço”. Sem pensar, dou dois pequenos passos para o lado, dentro do já confinado espaço do metrô londrino. Aperto a minha gigantesca bolsa contra o meu corpo a fim de diminuí-la de tamanho (em vão);... leia mais

11 minutos

Segurança Psicológica: Potencializando a voz que não mais silencia

Por que silenciamos mesmo quando desejamos expressar genuinamente a nossa opinião ou ideia sobre algo? Silenciamos a partir do medo de não nos expor? Podemos assumir que isso acontece quando não há segurança psicológica no ambiente? O termo “espiral do silêncio” foi criado pela alemã Elisabeth Noelle Neumann e está relacionado ao medo que os indivíduos têm de serem isolados pela... leia mais

11 minutos

Viver é melhor que sonhar!

“... qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa” 1 Quando o Luciano Lannes me convidou a escrever um artigo para a edição chamada “Feliz Ano Novo!” respondi, sem pensar, “sim!”. Sem pensar, mas também sem ideia nenhuma sobre o que ia escrever. Só sabia que o artigo deveria trazer uma reflexão positiva, no primeiro mês de um ano 2022 desafiador.... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium