revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #38 - Julho 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

E seguimos procrastinando...

Preguiça, o hábito que se contraiu de descansar antes da fadiga.
Jules Renard

“Joana tinha um importante projeto que, se causasse uma boa impressão na diretoria, poderia lhe render uma promoção na carreira. Ela tinha trin­ta dias de prazo para preparar tudo. Pensou em como seria bacana se con­seguisse o novo cargo que ela alme­java há tanto tempo e que daria uma guinada em sua vida. Confiante, pen­sou: - tranquilo, tenho 30 dias para preparar tudo com calma!
Como o prazo estava distante, resol­veu deixar este fim de semana para descansar e começar no próximo...
Bem, 15 dias se passaram e Joana não iniciou seu trabalho. Pensou que ainda tinha prazo e, como estava mui­to cansada, foi ao cinema para rela­xar. Agora, há menos de 1 semana do prazo final, Joana começou a se preocupar porque o acúmulo de ati­vidades não estava deixando tempo livre para se dedicar ao projeto. Ela pensou: - dedicação integral; pos­so passar as noites trabalhando na apresentação...
Faltando um dia para a apresentação do projeto, Joana, sem dormir direito por várias noites, resolveu passar a noite em claro para preparar o pro­jeto. Estava quase amanhecendo, quando terminou tudo, mas cansa­da demais, dormiu em cima da mesa mesmo. Acordou assustada e atra­sada para a apresentação, derrubou café na blusa, não teve tempo de re­passar as ideias e saiu correndo para o trabalho.
Chegou atrasada, com o material de­sorganizado, com aparência desleixa­da e causou uma péssima impressão na diretoria, que acabou escolhendo outro projeto, que não era tão bom quanto o seu, mas foi bem apresen­tado e articulado, dando muito mais segurança aos diretores.
Joana ficou arrasada e pensou: - nun­ca mais deixarei as coisas para a úl­tima hora! De agora em diante farei tudo com bastante antecedência.
Como seu trabalho era bom, os dire­tores resolveram dar um novo prazo para Joana: 15 dias para nova apre­sentação. Ela ficou feliz e saiu pen­sando: vou começar agora mesmo... Bem agora não, vou primeiro ao sho­pping para relaxar e começarei ama­nhã...”

Você se reconhece nesta estória? Conhece alguém assim? O hábito de “deixar para amanhã” é mais comum do que podemos ima­ginar.

Aposto que pelo menos uma vez na vida você deixou para amanhã algo importante que poderia ser feito no momento; e depois ficou estres­sado porque o que era importante passou a ser urgente, com o prazo apertado e teve que fazer tudo às pressas.

Um dos maiores desperdiçadores de tempo, um grande vilão que nos impede de desenvolver todas as possibilidades, de alcançar objeti­vos, realizar sonhos: o terrível vício da procrastinação. E por que procrastinamos? Por que insistimos em deixar para amanhã aquilo que deveríamos fazer hoje?

Porque decidimos assim, equivo­cadamente... Nossas decisões são tomadas primeiramente no incons­ciente, e depois trazidas à consciên­cia, acompanhadas de uma justifica­tiva racional.

Segundo um estudo da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS), o ato de escolher se divide em três etapas:

  • Seu cérebro decide o que você vai fazer;
  • Você toma consciência da decisão;
  • Você age de acordo com a decisão tomada.

Algumas decisões tomadas pelo cé­rebro não são informadas à nossa consciência. Por exemplo: quando decidimos nadar, a decisão é cons­ciente, mas, imediatamente o cére­bro assume o controle e coordena a ação de dezenas de músculos para que nademos. Não estamos cons­cientes de todas essas pequenas decisões. Executamos o ato de nadar automaticamente.

Decisões simples não exigem tanto esforço cerebral. Mas, as decisões complexas sim. Se todas as decisões tivessem de ser minuciosamente avaliadas pelo nosso cérebro viverí­amos com fadiga mental.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A construção do meu crachá

Escrevi esse texto em 30 de junho de 2015, após ler o livro “A vida sem crachá” da Claudia Giudice, um “empurrão” para meu empoderamento nas transições de carreira que vive entre 2013 e 2015. “Arrancaram a minha pele e eu estava cega, como uma paixão dos 15 anos de idade. A primeira vez (2013) entendi racionalmente na segunda vez (2015) foi que entrei em contato com o que estava... leia mais

5 minutos

Um abraço no meu coração

Há um bom tempo busco ouvir e estar cada vez mais atenta ao meu corpo e os treinos de corrida fizeram a maior diferença para acelerar e potencializar esse aprendizado. Passei a perceber os sinais fortes de quando não estou inteira, quando as situações da minha vida me levam à exaustão mental e física ou quando não me sinto fluir, tendo a sensação de que meu sangue para de correr pelo... leia mais

5 minutos

Eu, cada vez melhor - Ed. 84

Dia 08 outubro de 2019 fui trabalhar num lugar diferente. Fui para o Instituto Moreira Salles. Fiquei no café que tem por lá e ainda pude experimentar um pão de queijo de cabra delicioso! Me sentei na mesa compartilhada, e como estava cedo para a call que teria, comecei a fazer o esboço da palestra estou montando sobre protagonismo, inteligência emocional, autoconhecimento e outros... leia mais

3 minutos

Equilíbrio nos diálogos

Ao pensar sobre o que iria escrever nesse momento em que o mundo está num momento de transição de civilização recordei um material que fiz sobre conversas difíceis, feedback, e como transformar esses momentos em diálogos. Esse tema aparece em diversos ambientes e agora mais do que nunca estamos com um desafio de manter o equilíbrio nos diálogos. Gosto bastante do que Marshall Rosenberg... leia mais

6 minutos

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium