revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #38 - Julho 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O LADO BOM E MAU das ferramentas de Coaching

O dualismo que o título sugere deve ser considera­do e explorado com muito cuidado, para que não corramos o risco de sentenciar as ferramentas de Coaching disponíveis como boas e más, uma po­sição maniqueísta que, na minha opinião, não se pode aplicar às questões envolvendo os seres hu­manos e seu desenvolvimento.

Por isso, minha escolha para este artigo foi focar na forma e por quem as ferramentas podem ser utilizadas. Uma dúvida muito comum entre os Co­aches, principalmente para quem está iniciando nessa atividade, é sobre o uso das ferramentas de Coaching. Muitos Coaches até desenvolvem o seu próprio método, ou saem de suas formações ávidos a usarem, o que alguns autores, ao fazerem a apologia das ferramentas, chegam a chamar de arsenal.

Porém, no momento em que estão frente a fren­te com seus Coachees, acabam assumindo o risco de se afastarem da questão que o Coachee está trazendo, comprometendo sua presença de Coach e sua escuta ativa, competências primordiais para uma sessão inspiradora e de alto impacto. Essas duas competências, asseguro aos leitores, quando ausentes, comprometem a qualidade de qualquer sessão de Coaching e, por conta disso, podem afastar o seu Coachee do processo, crian­do uma certa resistência para que ele volte para as próximas sessões.

Um círculo vicioso normalmente se instala quan­do não sabemos qual é o momento ideal para usar os métodos e as ferramentas, e o fenômeno se agrava ainda mais, quando não sabemos em qual sessão trabalhar cada etapa do nosso método e nem como relacionar nossas ferramentas com as necessidades do nosso Coachee, por vezes condu­zindo as questões e situações trazidas pelo Coa­chee de forma tal a se encaixarem nas ferramen­tas que escolhemos usar, ou aquelas que domina­mos, sem a consciência de que cada indivíduo tem uma forma diferente de aprendizado.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium