revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #35 - Abril 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Um outro olhar - Ed. 35

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso:
Estou atendendo um executivo, participante de um processo de coaching executivo contratado por uma grande empresa multinacional. Ele trouxe, como demanda, em um primeiro momento, uma questão de cunho organizacional. Sua questão era como ser mais competitivo. Ele, agora com 52 anos, teve uma trans­ferência horizontal para uma área de jovens executivos com faixa etária média de 32 anos e para isso sentiu que precisava manter um nível de competitividade à altura dos profissionais subordinados a ele nesta nova área. Em uma conversa a três, seu Diretor destacou que em uma área de jovens talentos num grupo de alta performance, seus principais desafios eram o trabalho em grupo, conseguir o melhor de cada um, alinhado ao trabalho em equipe. O diretor salientou a senioridade do executivo na empresa e amplos conhecimen­tos do business organizacional, sugeriu também um estilo de gestão mais participativo e integrador. Após o primeiro encontro, este executivo relatou que no âmbito pessoal também tinha desafios de competitivi­dade, precisava emagrecer e começar a fazer academia, queria rejuvenescer, estava recém-casado, em seu terceiro matrimônio, com uma mulher bem mais jovem, ele queria ser um exemplo no pessoal e no profis­sional. Após 3 encontros, ele conseguiu integrar a ginástica e alimentação balanceada em sua rotina, trouxe alguns artigos para discutir sobre perfil das novas gerações, que o motivou na construção de um plano de ação sobre sua atuação participativa. Sinto um real interesse dele em ser mais competitivo e reconhecido em sua liderança. Mas, não sei como ajudá-lo a fazer com que estas mudanças sejam sustentáveis ao longo do tempo. Ainda restam 6 sessões no processo contratado. Sinto que estamos discutindo mais do mesmo. Como sair deste círculo vicioso?

Maria, obrigada por compartilhar suas dúvidas comigo. Também desta vez compartilhei com as minhas amigas Lily Seto, coach e supervisora no Canadá e Ana Plio­pas, coach e supervisora em São Paulo. Vamos ver se consigo ex­pressar para você nossa discussão.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Um outro olhar - Ed. 86

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: Acabo de fechar um processo de coaching com um jovem executivo. Ele teve uma carreira muito bem sucedida na organização de grande porte onde trabalha. Aí entrou como estagiário e hoje é superintendente de marketing. Além de ser reconhecido por suas entregas de qualidade e rápidas, ele também é percebido como um trator que deixa “mortos e... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 85

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: Já conduzo processos de Coaching há 5 anos, especialmente em empresas de grande porte e sempre faço a reunião de 3 pontas (entre o coachee, seu gestor e eu) ou de 4 pontas, onde também está presente o RH. Recentemente fui procurada por uma empresa e o profissional de RH esclareceu que lá eles ainda não são maduros para realizar esses encontros... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 84

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: Meu cliente de coaching executivo termina as sessões muito rápido! Em geral os meus encontros de coaching são de 1 hora e meia, mas com ele, depois de 50 minutos não temos mais nada a tratar. Eu me preparo bastante antes de cada sessão, busco ferramentas sempre conectadas aos objetivos definidos em nosso processo, mas ele não responde a contento:... leia mais

5 minutos

Um outro olhar - Ed. 83

Nosso coach João nos traz o seguinte caso Sempre busquei cuidar de mim e me considero uma pessoa emocionalmente equilibrada, entretanto, em meio à pandemia do COVID19, estou muito ansioso: não desgrudo das notícias, a perda financeira em meus investimentos não me deixa dormir e tenho dificuldades para me concentrar em leituras. Mudei todos os meus clientes para encontros on line, mas estou... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 79

Nossa Coach Maria nos relata o seguinte: Estou atendendo um cliente que tem grande dificuldade de fazer abstrações e imaginar cenários. Ele me lembra aqueles jogos de jornais antigos de ligar os pontos numerados para construir uma figura. Não há possibilidade de mudar a ordem na qual os pontos são ligados, e todos precisam estar muito próximos um do outro. Impossível pensar em planos de... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium