revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #34 - Março 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Um outro olhar - Ed. 34

Nosso coach João nos trouxe uma questão muito atual e complexa:
Iniciei um trabalho de Coaching com os principais executivos em uma empresa familiar. A leitura da edição 11 da Revista Coaching Brasil, sobre empresas familiares, foi fundamental para me preparar para as particularidades de um cenário que não conhecia. Meus clientes são os três filhos do fundador, que se aposentará em um ano, sendo que um deles está sendo preparado para assumir a presidência. Este, um rapaz de 28 anos, notoriamente o maior orgulho do pai, depositando total confiança na nossa relação, me atinge no fígado nos primeiros cinco minutos do primeiro encontro. “Sou gay! Ninguém sabe! Se meu pai souber ele morre. Me ajude”. Fiquei muito confuso, perdi o fôlego. Ele relatou que, segundo as crenças religiosas do pai, homossexualidade é a manifestação do demônio. Ouvi 28 anos de emoções reclusas em seu de­sabafo o resto do encontro. Agora pre­ciso me preparar para o próximo. O que fazer?

João, antes de qualquer coisa, sou muito grata por ser merecedora da sua confian­ça em me trazer suas dúvidas de forma tão sincera e confidente.

Para responder sua pergunta, consultei 3 amigos coaches e supervisores: Lily Seto do Canadá, Ana Pliopas e Jorge Oliveira de São Paulo. Tivemos consenso em usar um modelo chamado Seven Eyed ou Seven Modes de Peter Hawkins, que vai ajudá-lo a olhar o processo e inspirá-lo sobre os próximos passos. Este modelo foi criado e teve seus estudos baseados na psicodinâmica, com aplicação entre várias áreas de supervisão, incluindo mais recentemente o coaching.

O Seven Eyed permite a compreensão sistêmica de como as informações se co­nectam, bem como os comportamentos a eles inter-relacionados. Permite olhar uma situação sobre, pelo menos, 7 pers­pectivas, e inter-relacionar aspectos in­ternos e externos da situação, do contex­to, a gama de comportamentos entre as diferentes relações que se formam entre coach-cliente-supervisor e contexto, bem como entre as variáveis sistêmicas inter­nas e relacionais entre o indivíduo e os demais envolvidos na situação. Nem sem­pre usamos todos os 7 Eyed num caso, mas devemos percorrê-los para incluir ou excluir passos necessários ao entendi­mento do processo.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Um outro olhar - Ed. 104

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: faço um grande esforço para fazer meu trabalho de coaching de maneira séria e dedicada: estudo diferentes temas relacionados a coaching, faço cursos, atendo seminários e participo de um grupo de supervisão de coaching. Entretanto, noto que quando algum de meus clientes elogia minha atuação como coach, fico desconfortável porque acho que na... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 103

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: assisti uma palestra no Converge21 que me deixou confusa. A palestra What's Your Type? The Past, Present, and Future of Personality Testing (Qual seu tipo? Passado, presente e futuro dos testes de personalidade) de Merve Emre critica o MBTI, instrumento que tenho usado há anos. Afinal, esse tipo de instrumento deve ser usados em processos de coaching... leia mais

5 minutos

Um outro olhar - Ed. 102

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: iniciei um processo de coaching com um executivo de uma empresa do setor financeiro. Estou surpreso com a falta de repertório sobre sentimentos do meu cliente: ele é muito introvertido e consegue basicamente distinguir dois estados: triste ou feliz. Quando pergunto o que ele sente ou sentiu frente a qualquer situação, ele faz descrições racionais... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 101

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: estou conduzindo coaching com um jovem CEO que admiro muito. Ele é humano, tem visão e promoveu transformações importantes na organização onde trabalha, levando-a a um patamar muito melhor em três anos na posição. Tenho notado, entretanto que alguns de seus posicionamentos podem ser considerados machistas: ele considera mais as sugestões... leia mais

6 minutos

Um outro olhar - Ed. 100

Nosso coach João nos traz o seguinte caso: estou conduzindo coaching de grupo junto a supervisores de uma empresa de varejo de grande porte. O objetivo do coaching é eles se apropriarem de seu papel como gestores de pessoas. Os encontros são presenciais e estamos na quarta sessão de uma série de 10. Os supervisores se conhecem, mas não trabalham juntos já que cada um está em um... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium