revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #33 - Fevereiro 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

A triste obrigação de parecer feliz...

Nada perturba mais minha felicidade do que a obrigação de ser feliz, porque é feio e fraco não sê-lo. Feliz de quem é bonito e forte.
Gutto Carrer Lima

Se um marciano chegasse à Terra hoje e fosse apresentado às redes sociais, algu­mas revistas e programas de celebrida­des, com certeza pensaria que este é um planeta com pessoas muito felizes e rea­lizadas. Esta ideia me veio à mente diversas vezes nos últimos meses quando passei a obser­var indícios de que há uma certa “cobran­ça” social por “parecermos” felizes e bem­-sucedidos o tempo todo. Interessante notar que trata-se de uma felicidade aparente e não necessariamen­te genuína. Temos que demonstrar que estamos bem e felizes a todo momento, ainda que não estejamos, sob pena de sermos criticados. Afinal, quem quer estar com pessoas de­primidas ou tristes? Parece-me que per­demos o direito a isso.

A busca da felicidade é talvez o maior cli­chê cultural que nos cerca, basta olhar a maioria das imagens das redes sociais, os livros de auto-ajuda, temas de palestras e cursos; todos afirmando que temos “obri­gação” de ser felizes e se não o somos, é por nossa própria responsabilidade.

A felicidade, muitas vezes, aparece asso­ciada a bens materiais. Se olharmos os co­merciais, veremos que se você tiver, ou fizer, isso ou aquilo, será feliz e fará sucesso... 

Já abordei este tema em uma edição an­terior e agora o retomo para propor uma reflexão sobre a exigência atual de pare­cermos felizes. Falar sobre tal tema é tarefa desafiado­ra, polêmica e inevitavelmente imprecisa, porque a felicidade deve ser vivida e, por­tanto, difícil de descrever ou demonstrar.

Estava eu em um sítio, contemplando o vai e vem dos quero-queros alimentando seus filhotes, numa imensidão verde e azul, embevecida com aquele momento ímpar de felicidade e paz. Havia uma festa na piscina, com música alta, bebida e mui­tas risadas. Um amigo veio me perguntar por quê eu não estava me divertindo?! Por quê estava triste ali sentada sozinha?! Ex­pliquei que estava contemplando a natu­reza e que isto me fazia feliz, já que moro na capital paulista e tenho menos oportu­nidade de apreciar a natureza, o silêncio, a calma harmonia das coisas naturais. Ele me lançou um olhar estranho, afastou-se e disse aos demais que eu devia estar com depressão...

Este episódio me fez refletir sobre como é difícil demonstrar aos outros sua felicidade, exceto se a demonstração seguir o rito pa­drão... Fazer um selfie sorrindo com a cerve­ja na mão. Perdoem-me o clichê.

Hoje não basta se sentir feliz; é preciso que os outros ratifiquem sua felicidade por sinais exteriores convencionais e típicos (como se isso fosse possível). Se quisermos saber se alguém está feliz é preciso identificar algumas características que identifiquem a felicidade na pessoa; como meu amigo não identificou sinais típi­cos de felicidade em mim, diagnosticou-me, de imediato, com depressão.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A construção do meu crachá

Escrevi esse texto em 30 de junho de 2015, após ler o livro “A vida sem crachá” da Claudia Giudice, um “empurrão” para meu empoderamento nas transições de carreira que vive entre 2013 e 2015. “Arrancaram a minha pele e eu estava cega, como uma paixão dos 15 anos de idade. A primeira vez (2013) entendi racionalmente na segunda vez (2015) foi que entrei em contato com o que estava... leia mais

5 minutos

Um abraço no meu coração

Há um bom tempo busco ouvir e estar cada vez mais atenta ao meu corpo e os treinos de corrida fizeram a maior diferença para acelerar e potencializar esse aprendizado. Passei a perceber os sinais fortes de quando não estou inteira, quando as situações da minha vida me levam à exaustão mental e física ou quando não me sinto fluir, tendo a sensação de que meu sangue para de correr pelo... leia mais

5 minutos

Eu, cada vez melhor - Ed. 84

Dia 08 outubro de 2019 fui trabalhar num lugar diferente. Fui para o Instituto Moreira Salles. Fiquei no café que tem por lá e ainda pude experimentar um pão de queijo de cabra delicioso! Me sentei na mesa compartilhada, e como estava cedo para a call que teria, comecei a fazer o esboço da palestra estou montando sobre protagonismo, inteligência emocional, autoconhecimento e outros... leia mais

3 minutos

Equilíbrio nos diálogos

Ao pensar sobre o que iria escrever nesse momento em que o mundo está num momento de transição de civilização recordei um material que fiz sobre conversas difíceis, feedback, e como transformar esses momentos em diálogos. Esse tema aparece em diversos ambientes e agora mais do que nunca estamos com um desafio de manter o equilíbrio nos diálogos. Gosto bastante do que Marshall Rosenberg... leia mais

6 minutos

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium