revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #33 - Fevereiro 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Editorial - Ed. 33

Caro leitor,

“Quero ser coach”...

Atualmente encontro muitas pessoas manifestando a vontade de iniciar uma carreira de coach. Bem, exercitando os princípios básicos do Coaching, cabe uma pergunta: “por que você quer ser coach?”

As respostas são as mais inusitadas possíveis. As mais comuns passam por “Eu quero ajudar as pessoas” até “É o que está dando grana no momento”.

No entanto, a decisão por tornar-se coach merece uma boa dose de reflexão, sobre as motivações, uma ideia muito clara do percurso a ser percorrido, dos investimentos a serem feitos, e principalmente das mudanças pessoais que precisam ocorrer.

Talvez o principal erro que muitos cometam seja pensar que para tornar-se coach, basta uma sólida formação, algo muito técnico e racional. Quem se aprofunda neste universo, cada vez mais toma consciência de que a função de uma boa formação seja causar uma TRANSFORMAÇÃO no pretendente a coach. Quem se dedica a trabalhar efetiva e profundamente com pessoas, cada vez mais rasga seus manuais, protocolos, testes, roteiros pré-definidos, e mergulha no autoconhecimento, na escuta, no sentimento, na troca, numa parceria que não está descrita em canto algum.

Esta é apenas uma parte.

Uma outra é começar a trabalhar, ter clientes, desenvolver um negócio. Lembrando que muitos saem de empregos fixos e querem uma nova carreira no coaching, é necessária também uma mudança de paradigma, de empregado para empresário.

Aparece em cena, talvez o maior matador de novos coaches, o MEDO. São tantos, pequenos e grandes, rasos e profundos, lógicos e confusos, aparentes e escondidos. Como ainda não temos estatísticas confiáveis, estima-se que entre 5% e 10% das pessoas que terminam uma formação atuem como coach.

Preparamos então duas edições dedicadas ao início na carreira. Vamos abordar desde as motivações, passando pelas diversas linhas de formação, o medo de atuar, o quanto cobrar, e por aí vamos....

Aproveite esta edição com a primeira parte deste tema.

Tenha uma excelente leitura,

Luciano Lannes
Editor

Artigo publicado em 20/07/2017
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Editorial - Ed. 100

Caros leitores, tenho tanto a compartilhar, falar, comentar, e ao mesmo tempo, um cansaço me invade a alma. Vivemos em uma sociedade que cultua a felicidade fácil, eterna, incondicional, que até originou o termo felicidade tóxica. Vivemos os tempos do empreendedorismo rumo ao sucesso, onde em vídeos e textos, experiências fantásticas são compartilhadas, do zero aos múltiplos... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 99

Caros leitores, falar sobre Burnout é muito importante, ainda mais em tempos de confinamento, isolamento social e uma sobrecarga de trabalho cada vez mais relatada e comentada. Quando defino um tema para o dossiê, o primeiro passo é eleger quem fará a coordenação, função mais que fundamental, pois esta figura, além de notório saber sobre o assunto, necessariamente precisa possuir... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 98

Caros leitores, foi no dia 26 de fevereiro de 2021 que Christine Bona De Napoli, em uma conversa que tivemos no WhatsApp, me propõe um dossiê sobre Codesenvolvimento. Começamos a papear,  e ela, apaixonadamente, começa a falar sobre a metodologia, origem, fundadores e as possibilidades que esta abordagem pode trazer para o mundo do Coaching e de quem trabalha com Desenvolvimento Humano... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 97

Caros leitores, esta é uma edição especial e comemorativa. Ela marca os oito anos desta caminhada, iniciada em uma viagem que fiz a Canela, no Rio Grande do Sul, para participar de uma formação em Storytelling, que também já foi tema de um dossiê. Naquela ocasião, já com minha consultoria há 5 anos, pensava em minha vida e carreira, e sentia que havia um espaço a ser... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 96

Caros leitores, em seu artigo, Carolina Messias e Michelle Prazeres citam o sociólogo francês Philippe Zarifian, que conceitua o termo “comunicação autêntica” como: “um processo pelo qual se instaura uma compreensão recíproca e se forma um sentido compartilhado, resultando em um entendimento sobre as ações que os sujeitos envolvidos são levados a assumir juntos ou de maneira... leia mais

3 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium