revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #32 - Janeiro 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O mosaico de competências para se formar um Coach

Um dia, em 1992, estava eu numa sessão de desenvolvimento para um profissio­nal de uma grande empresa para a qual estava dando uma Consultoria, quando ele me disse: “- Seu Coaching é impressio­nante, muito eficaz; acabo de voltar do Canadá, onde conheci o processo e nem sabia que alguém aqui fazia isto”. Con­fesso que não tive coragem de pergun­tar: “- Mas o que vem a ser Coaching?”

Em seguida da sessão, iniciei minhas pesquisas a respeito, buscando livros e profissionais que estivessem, por acaso, ligados ao que seria o tal Coaching. Ain­da não podíamos contar com a Internet e o caminho era mesmo com as experiên­cias de alguns profissionais e a literatura a respeito.

Podia-se contar nos dedos o número de profissionais que estavam ligados à nova prática, sobretudo aqueles que, como eu, caíram diretamente na fonte do Coaching: as descobertas que Timo­thy Gallwey já vinha fazendo desde o início dos anos 70, nos Estados Unidos, e também os trabalhos do inglês John Whitmore, que buscou especificamente a metodologia de Gallwey e foi traba­lhar com ele lá.

Mas por que aquele profissional achava que o que eu fazia podia ser chamado de Coaching? Descobrindo cada vez mais a prática de Tim Gallwey, fui me dando conta das coincidências: a primeira e maior delas, o conhecimento e o uso da percepção como instrumento primeiro da aprendizagem e do desenvolvimen­to, não só de si mesmo, mas na facilita­ção da aprendizagem do outro.

Na nossa concepção de trabalho de de­senvolvimento, não se propõe nada a ninguém, sem se passar primeiro pelos mesmos caminhos para se ter uma ideia, por menor que seja, da estrutura e das possibilidades do que é proposto. Não ape­nas saber conceitualmente, mas, de fato, experimentar e, ao propor, não correr o risco de tratar os outros como “objetos” de nossa ação. O cuidado com as pessoas sempre foi marca especial de tudo que fa­zemos.

Gallwey tinha feito algo semelhante, quan­do, percebendo a importância da percep­ção, foi desenvolver-se num Ashram india­no. E com sua percepção ampliada, aos poucos, foi fazendo descobertas essenciais para a construção da teoria do Coaching. Era professor de tênis e, atento à sua re­lação com os alunos, fez prosperar sua pesquisa, trabalhando diretamente sobre aprendizagem. Depois foi convidado a le­var a prática para as empresas e continua, até hoje, trabalhando com ela na sua pró­pria escola, The Inner Game School, e, mais recentemente, em outros países, na The Inner Game International School.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há... leia mais

11 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos

A Teoria Integral e o uso de Quadrantes em Coaching

Eu tinha uma experiência profissional mais voltada ao desenvolvimento de times e organizações, quando fui fazer uma formação com um biólogo chileno chamando Humberto Maturana. Quando concluí essa formação, tomei uma decisão de colocar o meu propósito também à serviço dos indivíduos. No entanto, sentia falta de estrutura, tanto para dar suporte a minha decisão por fazer coaching,... leia mais

8 minutos

Fazendo uma avaliação valer a pena usando uma abordagem do coaching

Apresentado no Converge por Claire Pedrick - MCC Participar do CONVERGE sempre nos surpreende. Essa é a 2ª. vez que participo e é maravilhoso poder confirmar, esclarecer, conhecer, compartilhar e entender ideias. Algumas vezes não só a novidade que surpreende, mas uma nova forma de ver e fazer algo que já fazemos, de uma forma diferente; enxergar uma nova perspectiva. Eu quero... leia mais

7 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium