revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #32 - Janeiro 2016

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O mosaico de competências para se formar um Coach

Um dia, em 1992, estava eu numa sessão de desenvolvimento para um profissio­nal de uma grande empresa para a qual estava dando uma Consultoria, quando ele me disse: “- Seu Coaching é impressio­nante, muito eficaz; acabo de voltar do Canadá, onde conheci o processo e nem sabia que alguém aqui fazia isto”. Con­fesso que não tive coragem de pergun­tar: “- Mas o que vem a ser Coaching?”

Em seguida da sessão, iniciei minhas pesquisas a respeito, buscando livros e profissionais que estivessem, por acaso, ligados ao que seria o tal Coaching. Ain­da não podíamos contar com a Internet e o caminho era mesmo com as experiên­cias de alguns profissionais e a literatura a respeito.

Podia-se contar nos dedos o número de profissionais que estavam ligados à nova prática, sobretudo aqueles que, como eu, caíram diretamente na fonte do Coaching: as descobertas que Timo­thy Gallwey já vinha fazendo desde o início dos anos 70, nos Estados Unidos, e também os trabalhos do inglês John Whitmore, que buscou especificamente a metodologia de Gallwey e foi traba­lhar com ele lá.

Mas por que aquele profissional achava que o que eu fazia podia ser chamado de Coaching? Descobrindo cada vez mais a prática de Tim Gallwey, fui me dando conta das coincidências: a primeira e maior delas, o conhecimento e o uso da percepção como instrumento primeiro da aprendizagem e do desenvolvimen­to, não só de si mesmo, mas na facilita­ção da aprendizagem do outro.

Na nossa concepção de trabalho de de­senvolvimento, não se propõe nada a ninguém, sem se passar primeiro pelos mesmos caminhos para se ter uma ideia, por menor que seja, da estrutura e das possibilidades do que é proposto. Não ape­nas saber conceitualmente, mas, de fato, experimentar e, ao propor, não correr o risco de tratar os outros como “objetos” de nossa ação. O cuidado com as pessoas sempre foi marca especial de tudo que fa­zemos.

Gallwey tinha feito algo semelhante, quan­do, percebendo a importância da percep­ção, foi desenvolver-se num Ashram india­no. E com sua percepção ampliada, aos poucos, foi fazendo descobertas essenciais para a construção da teoria do Coaching. Era professor de tênis e, atento à sua re­lação com os alunos, fez prosperar sua pesquisa, trabalhando diretamente sobre aprendizagem. Depois foi convidado a le­var a prática para as empresas e continua, até hoje, trabalhando com ela na sua pró­pria escola, The Inner Game School, e, mais recentemente, em outros países, na The Inner Game International School.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O coaching uma oitava acima

“Quando uma ou mais pessoas estiverem presentes, em meu nome, EU estarei presente”. Esta frase é Crística e, portanto, arquetípica podendo resumir o poder e a magia que surgem nas sessões de coaching, nos momentos em que a conexão acontece e passamos a caminhar junto com o cliente, envoltos por uma clarividência trabalhada em conjunto, numa oitava acima. Esse nível de aprofundamento,... leia mais

13 minutos

Autenticidade não é Sincericídio

Em uma das maiores pesquisas feitas sobre satisfação e engajamento no ambiente de trabalho, o Instituto Gallup entrevistou, entre 2014 e 2016, 2,7 milhões de profissionais de 276 organizações em 155 países. Eles descobriram que somente 15% dos entrevistados se sentiam altamente engajados com o trabalho que faziam, ou seja, psicologicamente envolvidos em suas atividades e motivados a serem... leia mais

11 minutos

Cultivando o Equilíbrio Emocional nas Organizações

“A realidade está onde você coloca sua atenção” William James Neste momento da humanidade, começamos a entender que é necessário ir para além das preocupações com a saúde mental, entendo que há um processo que pode nos ajudar a prevenir o desenvolvimento dos transtornos mentais: aprender a cuidar das nossas emoções. Mas qual é o momento para aprendermos a cuidar de nossas... leia mais

13 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder Betinho, plantando sonhos colheu sonhadores

O voluntariado surgiu no Brasil no século XVI, através de organizações religiosas.  Na sua maioria católicas e ligadas à saúde – as chamadas Santas Casas – influência da Coroa. Temos notícia que a primeira Santa Casa de Misericórdia foi implantada em 1543. Era um trabalho essencialmente das mulheres. As primeiras políticas públicas datam da década de 30, que passou a regular... leia mais

16 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder autêntico

Após os 35 anos de idade, já tendo tido anos de experiência em sua vida profissional com grande sucesso em diversos cargos gerenciais e diretivos, seguindo os padrões e modelos de liderança e a visão que aprendeu de outros, você começa a perceber que as regras que você tem seguido até hoje são formatos que não preenchem 100% da voz que você quer representar. Você reconhece em você... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium