revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #3 - Agosto 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

E quando o COACHING é tratado como PUNIÇÃO?

Quando o Coaching começou a ser divulgado em São Paulo, a primeira vez em março de 2000, sabia-se muito pouco a res­peito. Ele já vinha sendo praticado por alguns consultores desde o final dos anos 80, início da década de 90, mas ainda não tinha sido tratado pela mídia. Foi a partir de 2003 que o conceito passou a ser empregado e foi se alastrando pelo Bra­sil afora, porém já bem impregnado de confusões e práticas das mais diversas.

Um forte viés do uso do Coaching como punição se instalou em várias empresas naquele momento, quan­do estas o trataram como último re­curso para se resolver o problema de desempenho de um profissional do qual eram esperados resultados melhores e/ou diferentes dos que ele vinha apresentando. Certamente a empresa já o havia pressionado de várias formas e acabava praticamente ameaçando-o com a possibilidade de um Coaching.

O profissional chegava apavorado para iniciar um processo de Coaching Executivo, já imaginando que se trata­va da porta de saída da empresa, na qual muitas vezes já estava há alguns anos, imaginando o que seria de sua vida profissional dali para frente.

Algumas empresas, com o objetivo de acumular justificativas para a demis­são, escolhiam a prática de um Coa­ching tipo 360º, envolvendo o máxi­mo de pessoas numa “pseudo” avalia­ção daquele profissional, para ao final dizerem: "- Pois é, infelizmente o seu caso nem com um Coaching deu certo."

Embora umas poucas empresas ainda persistam nessa prática, a maioria hoje cuida do Coaching com o respeito que ele merece, por se tratar de um espaço de desenvolvimento pessoal e profis­sional da maior importância, tanto para o profissional para quem foi ele indica­do, quanto para a própria organização. Mais que isso, o próprio Coaching veio trazer o respeito às capacidades de cada profissional dentro da empresa e uma forma muito mais democrática de admi­nistração. O simples fato dos processos de Coaching olharem de perto para os talentos de cada um e de como cada profissional pode contribuir de forma definitiva para o todo da Organização, veio tomar o lugar das arbitrárias decisões de se fazer “treinamen­tos” para todos da empresa, in­dependente de serem necessá­rios ou não para todos.

Imperativo é compreendermos que o engano ocorrido no tra­tamento da prática do Coaching como ameaça ou punição tem sua causa no não entendimento do real significado dos proces­sos de avaliação internos de uma empresa, que poderiam e deve­riam ser uma espécie de ilumi­nação do seu caminho no todo e em cada área de suas atividades, com o objetivo estratégico da transformação constante para melhor, obtendo um lugar ao sol e ótimos resultados no mercado.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O encontro cármico entre o coach e o cliente

Quando um ser humano olha de forma comprometida a sua própria história de vida, observa que ela não é uma simples sucessão de fatos e datas, mas um caminho de desenvolvimento que passa por diversos aspectos como saúde, aprendizado, profissão, processo de busca de emancipação e autonomia. Todos estes aspectos apenas são possíveis através dos encontros. Se olharmos, não do ponto de... leia mais

14 minutos

Comunicação Autêntica: Tecituras de resgate ao humano dentro e fora das plataformas digitais

Nunca se falou tanto sobre autenticidade. Sua aplicação em nosso cotidiano tem sido estimulada por meio de imperativos que se fazem presentes em frases como “seja você mesmo”, “solte a sua voz” ou até mesmo “viva a sua verdade”. Embora esse movimento seja legítimo e tenha como plano de fundo encorajar a formação de pessoas livres de padrões impostos e a construção de uma... leia mais

14 minutos

Como a Inteligência Emocional pode ser ampliada com o desenvolvimento de habilidades de Inteligência Espiritual

Para que seja possível discorrer sobre a relação entre Inteligência Emocional (EQ) e Inteligência Espiritual (SQ), é necessário esclarecer como compreendo e faço uso destes conceitos. Muitos autores me servem de referência e fundamentam minha prática em Desenvolvimento Humano, entretanto, trago apenas os ligados ao escopo deste artigo, e exploro com mais profundidade a SQ por ser o... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: Coaching Solidário

“A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana.” Franz Kafka Antes de tudo, quero trazer para as leitoras e leitores, o que significa solidariedade para mim, pois há uma infinidade de definições por aí. Desde muito jovem, ouvia meus pais dizerem que para ser solidário, precisamos aprender a doar o que falta e não o que sobra, e... leia mais

15 minutos

Consultoria: A Arte de Escutar o Invisível

Sempre trabalhei em consultoria de serviços, onde o que eu vendia - pelo menos inicialmente - eram respostas para os problemas dos meus clientes na área de tecnologia. Trabalhei com produtos de software que potencializam a colaboração dentro das organizações: soluções de e-mail, mensagens instantâneas, intranets, e gestão do conhecimento. Na época, a internet estava chegando no Brasil,... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium