revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #3 - Agosto 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

E quando o COACHING é tratado como PUNIÇÃO?

Quando o Coaching começou a ser divulgado em São Paulo, a primeira vez em março de 2000, sabia-se muito pouco a res­peito. Ele já vinha sendo praticado por alguns consultores desde o final dos anos 80, início da década de 90, mas ainda não tinha sido tratado pela mídia. Foi a partir de 2003 que o conceito passou a ser empregado e foi se alastrando pelo Bra­sil afora, porém já bem impregnado de confusões e práticas das mais diversas.

Um forte viés do uso do Coaching como punição se instalou em várias empresas naquele momento, quan­do estas o trataram como último re­curso para se resolver o problema de desempenho de um profissional do qual eram esperados resultados melhores e/ou diferentes dos que ele vinha apresentando. Certamente a empresa já o havia pressionado de várias formas e acabava praticamente ameaçando-o com a possibilidade de um Coaching.

O profissional chegava apavorado para iniciar um processo de Coaching Executivo, já imaginando que se trata­va da porta de saída da empresa, na qual muitas vezes já estava há alguns anos, imaginando o que seria de sua vida profissional dali para frente.

Algumas empresas, com o objetivo de acumular justificativas para a demis­são, escolhiam a prática de um Coa­ching tipo 360º, envolvendo o máxi­mo de pessoas numa “pseudo” avalia­ção daquele profissional, para ao final dizerem: "- Pois é, infelizmente o seu caso nem com um Coaching deu certo."

Embora umas poucas empresas ainda persistam nessa prática, a maioria hoje cuida do Coaching com o respeito que ele merece, por se tratar de um espaço de desenvolvimento pessoal e profis­sional da maior importância, tanto para o profissional para quem foi ele indica­do, quanto para a própria organização. Mais que isso, o próprio Coaching veio trazer o respeito às capacidades de cada profissional dentro da empresa e uma forma muito mais democrática de admi­nistração. O simples fato dos processos de Coaching olharem de perto para os talentos de cada um e de como cada profissional pode contribuir de forma definitiva para o todo da Organização, veio tomar o lugar das arbitrárias decisões de se fazer “treinamen­tos” para todos da empresa, in­dependente de serem necessá­rios ou não para todos.

Imperativo é compreendermos que o engano ocorrido no tra­tamento da prática do Coaching como ameaça ou punição tem sua causa no não entendimento do real significado dos proces­sos de avaliação internos de uma empresa, que poderiam e deve­riam ser uma espécie de ilumi­nação do seu caminho no todo e em cada área de suas atividades, com o objetivo estratégico da transformação constante para melhor, obtendo um lugar ao sol e ótimos resultados no mercado.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Identificar e desenvolver pontos fortes da tripulação durante as tempestades.

Do momento da redação deste artigo até a publicação, posso especular pouco sobre os desdobramentos da crise do COVID-19 e todo o impacto que isso gerará em todos os âmbitos de nossas vidas. O que tenho convicção é que as crises passam, mas o talento fica. E dito isso talvez seja nesse momento que precisamos manifestar nossas fortalezas individualmente e coletivamente com maior... leia mais

14 minutos

Valores: o que eles estão nos ensinando neste momento de crise mundial

A crise política, econômica, social e de saúde sem precedentes pela qual estamos passando está nos obrigando a refletir sobre várias questões: como chegamos na situação atual? O que precisamos fazer para ultrapassá-la? Que comportamentos e decisões geraram esta situação de vulnerabilidade extrema? Quais os aprendizados individuais e coletivos que precisamos fazer? A partir desta nova... leia mais

19 minutos

A EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO

Uma das maiores questões que se apresentam aos modelos de gestão contemporâneos nas empresas hoje é conseguir se livrar de um pensamento exclusivamente voltado para os sistemas de comando e controle desenvolvidos no começo do século 20 para dar conta dos aumentos das demandas e do volume de produção e incluir em seus processos uma lógica que abranja as rápidas dinâmicas da complexidade... leia mais

14 minutos

Um Olhar integral para o Desenvolvimento Humano

Meu primeiro contato com a Teoria Integral foi quando assisti uma palestra do Marcelo Cardoso (um dos autores desse dossiê) em uma aula dentro de um curso de MBA em 2002, falando sobre Integral Business. Naquela ocasião fiquei ao mesmo tempo extasiado e emocionado. O que vi e ouvi naquele dia foi como um despertar, pois aquelas práticas de gestão apresentadas faziam total sentido. Desse... leia mais

12 minutos

As armadilhas da mente

Apresentado no Converge por Jennifer Gervey Berger Conteúdo baseado na sessão “Escaping our MIndtraps to Thrive in Complexity” de Jennifer Gervey Berger, Ed.D. (escritora do livro Unlocking Leadership Mindtraps: How to Thrive in Complexity) A sessão de Jennifer Gervey Berger, Ed.D foi um dos momentos que mais me impactou durante o Converge. Eu admiro profissionais que... leia mais

9 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium