revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #29 - Outubro 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

12 SEGUNDOS DE ESCURIDÃO

Existe um vilarejo escondido no Uruguai chamado Cabo Polônio. Ele fica localizado a 400 km de Montevidéu e é um roteiro para poucos, mas capaz de surpreender um experiente viajante. O nome da cidade é uma homenagem a Joseph Polloni, o capitão de um barco que, como muitos outros, naufragou na região.

Polônio abriga apenas 60 moradores e a região está ligada a uma faixa de areia densa, rodeada de dunas que já foram habitadas por uma tribo de índios no século 16. Para chegar lá, o trajeto é de cinco horas e geralmente é feito de barco. Só que ali, a força das águas encanta e assusta ao mesmo tempo. Até o navegador mais destemido fica atento. Por isso a região foi chamada de ‘Inferno dos Navegantes’. Houve uma época em que ao passarem por aquela área, os navegadores entravam em pânico ao verem as bússolas sem direção girando descontroladamente. Dizem que o melhor horário para se navegar em Polônio é à noite. O espetáculo fica completo se a noite for de Lua Cheia, já que o local não tem luz elétrica, e a escuridão é total. Sua única iluminação artificial é a luz do farol, localizado entre as praias Norte e Sul. Ao anoitecer, a península fica em total escuridão por 12 segundos. Tempo que a luz do farol demora para dar uma volta completa.

Durante sua passagem pelo lugar, o artista uruguaio Jorge Drexler criou um álbum chamado "12 segundos de escuridão". A música que leva o título do álbum traz, além de poesia, um grande ensinamento para todos que passam por momentos conturbados, ou seja, momentos de crise no qual dificilmente conseguimos enxergar uma luz e ficamos céticos em acreditar naquela história dos mais otimistas de que “do latim, o momento de crise é momento de oportunidade”.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Pen It!: Fazendo amizade com nossas vulnerabilidades.......em uma página

{"Escrevo inteiramente para encontrar o que estou pensando, o que estou vendo, o que vejo e o que isso significa, o que quero e o que temo"} Joan Didion [1] Ficar cara a cara com a nossa própria vulnerabilidade faz parte da jornada de cada pessoa ao logo da vida. O que fazemos quando estamos nesses pontos sensíveis tem sido o material para grandes poesias, filmes, músicas e histórias ao... leia mais

13 minutos

O Trabalho do Terapeuta Organizacional com base na AIT

Você acha que é possível se permitir sentir quando está trabalhando? Esta pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia, e esta resposta vinda de sua mente poderá ser: “sim”. O que fico aqui me perguntando é que se isso parece tão óbvio, para muitos de nós, por que majoritariamente o ambiente organizacional tem se mostrado um contexto frio, insensível, composto de pessoas usando... leia mais

12 minutos

Os caminhos para uma cultura de felicidade nas organizações

A pressão pelo sucesso profissional e a forma como gerimos as prioridades em nossas vidas parece não estar funcionando muito bem, acelera a necessidade de “ter” e “fazer” e com isso, a maioria das pessoas não expõe suas vulnerabilidades, não se expressam com autenticidade, convivem com lideranças tóxicas e acabam se decepcionando com sua escolha de carreira. Afinal, não há... leia mais

11 minutos

O Coaching Evolutivo no momento atual da Humanidade

Vou começar esse artigo com 3 frases que me ajudaram a entender de forma mais profunda o universo das ideias sobre valores, níveis de desenvolvimento e consciência estruturados por Richard Barrett, que é na minha visão, uma das maiores autoridades sobre cultura e valores.  Nos últimos anos ele escreveu uma série de livros falando sobre o tema desse artigo e sobre novas formas de... leia mais

15 minutos

As etapas do trabalho biográfico e as artes plásticas como linguagem do processo

1-Visão panorâmica da própria biografia  Ao passar por um processo biográfico a pessoa revê passo a passo, a trajetória de sua vida, os impulsos, sentimentos e anseios que permearam as suas experiências, desde a lembrança mais remota até o momento atual. Ela tem, ao final desta retrospectiva, uma visão panorâmica de sua própria vida. Esta vivência é diferente da mera... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium