revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #27 - Agosto 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Cuidado com o Furor Curandis

Nesta edição vamos discutindo as fron­teiras do coaching, que muitas vezes não estão delineadas de forma clara pelas diferentes escolas e esferas de atuação dos profissionais da área. Os dilemas apa­recem a cada novo coachee, a cada nova demanda que se apresenta, e algumas de nossas dúvidas independem de nossa formação e atuação profissional prévias. Quando pensamos em fronteiras, pen­samos, por exemplo, na fronteira entre o coaching e o aconselhamento, entre o coaching e o mentoring, e para alguns de nós, entre o coaching e as diversas tera­pias disponíveis.

Há, porém, algo comum à maioria dessas atividades, que pode acometer todos os profissionais, coaches ou não: O que Freud, após 24 anos de prática psica­nalítica, em 1919, denominou como “Furor Curandis”. Algo que fala so­bre nossa onipotência, sobre nos­sos desejos, sobre nossa vaidade, e sobre nosso narcisismo. Freud dis­cute os perigos do Furor Curandis em seu texto “Linhas de progresso na terapia psicanalítica”, colocando em xeque alguns conceitos já desenvol­vidos e praticados pelos psicanalistas, e os alerta para o perigo de ceder à tenta­ção de colocar a cura de sintomas de seus pacientes como objetivo do tratamento. Na verdade, o texto busca conscientizar o analista de seu papel de investigar e trazer certos fatos à tona durante o trata­mento, e não ceder aos dois furores ine­rentes à prática: o furor investigativo, que nada acrescenta ao paciente se feito à sua forma mais exaustiva e menos conclusiva, e ao furor de cura, que projeta no paciente desejos do próprio analista, e cria soluções que estão aquém do saber do próprio paciente. Por fim, acaba por discutir a eficácia de tal método, e propõe ao analista man­ter seu posicionamento de neutra­lidade a qualquer custo.

A este ponto, alguns podem estar se questionando por que escolho o viés da psicanálise para falar em coaching. Em primeiro, minha formação e prática psicanalítica antecederam minha formação em coaching. Em segundo, porque a psicanálise se aproxima em muitos aspectos do coaching, e especial­mente da minha linha de trabalho em coaching ontológico. Em am­bas as práticas trabalhamos a par­tir de uma demanda trazida pelo cliente, a partir do seu discurso e especialmente da sua linguagem. Da mesma forma, estes processos envolvem desejos do cliente, e o desejo do profissional de trabalhar aqueles desejos.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Cultivando o Equilíbrio Emocional nas Organizações

“A realidade está onde você coloca sua atenção” William James Neste momento da humanidade, começamos a entender que é necessário ir para além das preocupações com a saúde mental, entendo que há um processo que pode nos ajudar a prevenir o desenvolvimento dos transtornos mentais: aprender a cuidar das nossas emoções. Mas qual é o momento para aprendermos a cuidar de nossas... leia mais

13 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder Betinho, plantando sonhos colheu sonhadores

O voluntariado surgiu no Brasil no século XVI, através de organizações religiosas.  Na sua maioria católicas e ligadas à saúde – as chamadas Santas Casas – influência da Coroa. Temos notícia que a primeira Santa Casa de Misericórdia foi implantada em 1543. Era um trabalho essencialmente das mulheres. As primeiras políticas públicas datam da década de 30, que passou a regular... leia mais

16 minutos

O Poder de Todos: É a voz de um líder autêntico

Após os 35 anos de idade, já tendo tido anos de experiência em sua vida profissional com grande sucesso em diversos cargos gerenciais e diretivos, seguindo os padrões e modelos de liderança e a visão que aprendeu de outros, você começa a perceber que as regras que você tem seguido até hoje são formatos que não preenchem 100% da voz que você quer representar. Você reconhece em você... leia mais

14 minutos

O Futuro é (des)ordem

Uma porta como esta se abriu apenas cinco ou seis vezes desde que nos tornamos “homo erectus”. É o melhor tempo possível para estar vivo, quando quase tudo o que você pensou que sabia está errado.” Tom Stoppard – na peça Arcadia, 1993. O dicionário Houaiss define Futuro como “tempo que se segue ao presente” ou o “conjunto de fatos, acontecimentos... leia mais

14 minutos

O xadrez e a vida: uma visão além do jogo

“O xadrez é a vida em miniatura” Garry Kasparov. Qual o grau de relevância das visões estratégica e sistêmica para o desenvolvimento de pessoas e organizações? E como um jogo milenar pode se relacionar com elas? O xadrez, reconhecido como um dos principais jogos de estratégia, é uma batalha mental na qual dois jogadores se enfrentam visando um objetivo: o... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium