revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #26 - Julho 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

ROI em Coaching

Em recente artigo que escrevi para esta revista, argumentei que a mensuração efetiva do sucesso de um processo de Co­aching é um dos mais relevantes desafios enfrentados pelos en­volvidos neste tipo de interven­ção, isto é, o coach, a empresa e mesmo o cliente que passa pelo processo.

A pesquisa feita pela ICF – Inter­national Coach Federation, inti­tulada “Organizational Coaching Study”, de 2013, apontou para um mercado global de Coaching equivalente a cerca de 2 bilhões de dólares de faturamento anu­al, com destaque para o Coa­ching Executivo. Nesta mesma pesquisa, estima-se um total de cerca de mais de 40 mil coaches profissionais no mundo. As evi­dências apontam para um cresci­mento muito rápido no número de coaches profissionais, em res­posta a uma demanda crescente por este tipo de atividade.

No lado corporativo, já há algum tempo, o Coaching é reconhecido como uma das 5 principais estra­tégias para o desenvolvimento de lideranças (Bennet, 2006), além de estar se estendendo a outros níveis hierárquicos den­tro das empresas. Não há dúvi­das de que o Coaching executivo vem se tornando cada vez mais relevante como ferramenta para o fortalecimento da capacidade de liderança executiva no mundo corporativo.

Não é de surpreender, assim, ser também crescente a atenção e o questionamento colocado pelas empresas a respeito da efeti­vidade dos programas de Coa­ching por elas patrocinados. Afi­nal, com tanto dinheiro investido nesse tipo de intervenção, qual é, de fato, o retorno obtido?

No já citado estudo da ICF de 2013, as respostas obtidas indi­cam que a maior parte das or­ganizações pesquisadas revela “saber” ou “reconhecer” a efeti­vidade do Coaching em termos de impacto e criação de valor para as empresas. No entanto, as evidências que suportam tal afir­mação são de caráter empírico, quando muito. Processos quanti­tativos de avaliação parecem ser raros. É relativamente comum encontrar a aplicação de proces­sos 360º, seguido de pesquisa de clima/satisfação. Na maioria dos casos, a avaliação fica restrita ao feedback obtido junto ao pró­prio executivo.

Acredito ser incontestável que as empresas mais e mais irão exigir uma mensuração dos impactos do Coaching de forma abrangen­te, consistente, realista e da for­ma mais tangível possível. Em­presas e coaches precisam estar preparados para enfrentar essa demanda, de forma responsável, criativa e eficaz.

De fato, sob a perspectiva das empresas, parece haver várias razões para isso, entre elas:

• Responsabilidade fiscal: o investimento em Coaching im­plica na utilização de recursos que são sempre limitados por natureza e, portanto, precisam ser aplicados de forma eficaz, o que significa a necessidade da justificação e da comprovação, de forma concreta, do seu uso e dos resultados obtidos;

• Validação para o “bottom line”: da mesma forma que o inves­timento em uma nova tecnologia, produtos novos, aquisição de ativos, etc., o investimento em Coaching precisa ser validado em termos da contribuição para o resultado gera­do pelo negócio para seus acionis­tas;

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium