revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #23 - Abril 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Foco em resultados? O segredo é o desapego.

“A renúncia é a libertação.
Não querer é poder”.
Fernando Pessoa

Agenor é o CEO recém-empos­sado da empresa de sua famí­lia. Há anos, uma disputa pela direção da empresa entre os irmãos de Agenor e seus pri­mos e tios levaram a empresa a serias dificuldades. Agenor vê-se diante de um di­lema que o perturba há meses, sendo pressionado para tomar uma decisão importante e ir­reversível que certamente vai gerar prejuízos severos para seus primos e tios, mas é a úni­ca esperança de sobrevivência e manutenção da empresa e preservação dos cerca de seis mil postos de trabalho.

Desesperado, resolveu consul­tar seu velho amigo Kris, que foi seu mentor anos atrás. Kris foi um alto executivo de multinacional, conheceu di­versos países liderando pro­jetos de expansão e por ter vivido em várias culturas, aprendeu e absorveu ricos conhecimentos que contribuí­ram para ampliar sua visão de mundo e qualidade pessoal. Com essa experiência, Kris se tornou um homem muito sá­bio, sensível e visionário, des­frutando de ótima reputação e respeito do mercado. Kris tem uma capacidade especial de enxergar o que ninguém mais consegue ver e por isso, Agenor foi consultá-lo.

- Amigo Kris. Estou deses­perado, minha energia e de­terminação desapareceram e não sei o que fazer. Sinto medo. Meus tios e primos foram negligentes por anos com a administração da em­presa e agora volto como CEO, para colocar ordem na casa. Preciso tomar uma deci­são que inevitavelmente trará prejuízos para eles. A pressão está muito grande e já tive vontade de desistir de tudo. Não sei o que devo fazer, por favor, me ensine.
- Agenor, sua conduta não é compatível com a posição que ocupa. Sua fraqueza é irres­ponsável. Compreendi que, na vida e nos negócios, ganhar ou perder é a mesma coisa e você deve também aprender a agir sem pensar no resultado da ação. Procure o desapego e faça o que precisa ser feito. Não confunda desapego com irresponsabilidade, pois a res­ponsabilidade pelo resultado continua sendo sua. Você tem que agir, mas não deixar o apego pelo resultado te dominar. No coração da ação você deve sentir-se livre de todo apego, de acertar ou er­rar, de ser vitorioso ou não.
- Kris, como posso fazer o que me pede? Sou um executivo obstinado e determinado, mas sinto minha mente turbulenta e que busca o resultado posi­tivo sempre. É impossível con­trolar esse meu ímpeto. Quero fazer a coisa certa, sempre.
- Agenor, fazer a coisa certa não tem nada a ver com isso. Você precisa aprender a olhar os eventos sem qualquer jul­gamento ou apego. Se conse­guir enxergar com os mesmos olhos um monte de terra ou uma pilha de ouro, uma pes­soa ou um animal, você conse­guirá enxergar as coisas além das aparências e perceberá que existe outra inteligência além de sua própria mente e além de você mesmo.
- Kris, me desculpe, mas isso me parece metafísico demais. Respeito e reconheço que esse seu posicionamento e visão de mundo te levaram a um enor­me sucesso e isso é um tanto paradoxal para mim. Lembro­-me do quanto você era des­pojado e leve em sua conduta como executivo e mesmo assim alcançava resultados extraor­dinários. Mas sinto que meus desejos para ter êxito, para que tudo dê certo me arrastam o tempo todo, e não me sinto fe­liz. Como posso encontrar essa inteligência que tanto fala?
- Agenor, você precisa apren­der a olhar pra dentro de si e perceber que tem pouco ou nenhum controle sobre o que acontece no mundo e com você mesmo. Compreender a si mesmo é a única saída. Há uma batalha muito mais intensa aí dentro, que não tem nada a ver com o conflito em sua família. O seu verdadeiro campo de batalha está dentro de você. Domine seu espírito, destrua sua ganância. Quando não mais ansiar pelos resultados, eles virão. Não percebe que a ânsia pelo sucesso mais o afasta dele do que o aproxima? Se concen­tre em agir com toda a compe­tência que tem à sua disposi­ção, foque na ação e desapegue dos resultados, pois não impor­ta se terá reconhecimento ou não, se vai ganhar ou perder. Resultados são apenas conse­quências das ações bem feitas e estão no campo da probabili­dade. Você perceberá que sua felicidade e paz não dependem de conseguir algo ou chegar a algum lugar, mas de agir. O sentimento de dever cumpri­do e de servir a um propósito legítimo te conecta com o fluxo da vida. Aprenda a ter uma ex­pectativa apropriada sobre suas ações, foque em fazer tudo com capricho, atenção, compro­misso, amor e com uma visão clara de onde quer chegar. Apenas isso.

Em 2010 tive a oportunidade de conhecer e conversar com Dan Millman, autor do livro “O cami­nho do guerreiro pacífico”, que inspirou o filme “Poder além da Vida”, que conta sua história real de superação. Dan foi um atleta de argolas, extremamente ta­lentoso e com um futuro pro­missor. Assim como boa parte dos atletas, tinha um objetivo muito claro e quase obsessivo – ganhar o ouro numa olimpíada. Apesar do talento e do amor pelo esporte, Dan possuía um temperamento instável, ego­cêntrico e arrogante. E quando sofreu um acidente de moto que o afastou dos treinos, en­trou numa profunda depressão e crise pessoal. No filme, co­nhece o personagem Sócrates, um homem simples com uma sabedoria incomum, que inicia um intenso treino mental para ajudá-lo a promover a trans­formação pessoal que precisa. Sócrates tem meios fora do comum de ensinar e numa de suas lições, Dan tem um insi­ght de que a “felicidade está na jornada, não no destino” e começa a mudar sua história. A cena final retrata o ápice desse aprendizado, quando de volta a uma importante competição, a voz de Sócrates em sua men­te lhe faz três perguntas: “- Dan, onde você está? Que horas são? O que você é?” e Dan responde respectivamente: “- Aqui, agora e este momento.” e alcança a ma­estria. Na oportunidade de nos­so encontro, perguntei a ele so­bre Sócrates e sua resposta foi: “- O Sócrates no filme represen­ta os inúmeros mestres, conse­lheiros e coaches que tive em minha jornada, mas também a voz de meu 'sábio interno', que descobri ao desenvolver a habilidade de olhar para dentro de mim e procurar as minhas próprias respostas. É como se Sócrates fosse o Dan no futu­ro, em seu estado de máxima maestria”. Assim como Agenor e Dan Millman, boa parte das pessoas procuram processos de Coaching para alcançar um objetivo específico, promover mudanças pessoais ou desen­volver competências. O coach ajuda a estabelecer metas, mé­tricas, indicadores e processos que ajudarão o cliente a chegar onde quer. Mas não é apenas ter clareza sobre a meta que garantirá alcançá-la (e não há garantias), mas sim a qualidade da ação, das reais motivações e do senso de significado clari­ficado que o objetivo lhe traz. Quantos de nós já vivemos si­tuações como a de Agenor ou do próprio Dan? Dúvidas sobre a própria competência, questio­namentos sobre o próprio fu­turo, avalanches de cobranças externas e internas, ansiedade e expectativas nas alturas que frequentemente questiono se esse é um caminho saudável para a realização pessoal. In­felizmente, esse assunto me traz lembranças sobre a Copa do Mundo do Brasil de 2014. Então, já peço desculpas ao leitor se trago lembranças não muito saudosas. O resultado é bem conhecido, mas será que temos clareza sobre o conjunto de ações, escolhas e posturas de cada uma das duas seleções? O que o ocorrido na Copa e as histórias acima têm de aprendi­zados para nossa vida prática? Como nos portamos e qual o impacto que sofremos ao nos submetermos a uma cultura orientada quase que, exclu­sivamente para o resultado? Os atletas brasileiros tinham diante de si uma enorme res­ponsabilidade. Impuseram-se a obrigação de ganhar, tanto pela enorme expectativa do público quanto pela pressão interna de conquistar a Copa em seu país. Foram, talvez, excessivamente apaixonados, extremamente disciplinados nos treinos, se exaltaram diante do público também emocionado. Foi lindo de se ver, sem dúvida alguma. Mas sucumbiram à alta expec­tativa e pressão por ganhar. Por outro lado, os atletas ale­mães reconhecidos pelo rigor e perfeccionismo, tiveram uma conduta distinta e surpre­endente. Instalaram-se num paraíso no litoral da Bahia, desfrutaram da conexão com a natureza e simplesmente adotaram uma conduta de des­pojamento, simpatia, moderni­dade e leveza. Talvez tenham entendido a essência da ideia de que a felicidade está na jor­nada, não no destino. Joachim Low foi um líder que conseguiu gerar coesão, paixão e alto desempenho em sua equipe, adotando métodos nada con­vencionais. Além do longo e sólido trabalho técnico que fez com a equipe, é sabido que complementou o treinamento de seus atletas com yoga e meditação e talvez isso tenha contribuído para o bom geren­ciamento da ansiedade.

É fundamental compreender a relação causal entre ação e resultado. O foco no resultado mantém a conexão com a visão de futuro que desejamos, nos inspira a dar o melhor, mas o resultado só é viabilizado por ações bem feitas. O segredo talvez esteja em não deixar que o foco no destino nos dis­traia durante a jornada. 

Albert Einstein disse:

“Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pen­sar, mergulho em profundo si­lêncio – e eis que a verdade se me revela”.

Que o desapego te ajude a ser cada vez melhor.

Artigo publicado em 30/06/2017
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Seis Graus de Liberdade – 6: (Des)apegado

“Todos os modelos estão errados. Alguns são úteis.” George E. P. Box Olá, Viajante do Tempo! Está sentindo o frescor no ambiente? E o som gostoso da chuva, abafando o canto dos pássaros, que se escondem no limoeiro à nossa frente? Se você tivesse chegado aqui um pouco antes, teria visto um lindo arco-íris entre nós e a Pedra Grande de Atibaia. Ah, o bolo... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 5: (Des)atualizado

“As pessoas mais fáceis de manipular são as que acreditam no Livre-Arbítrio, porque pensam que não podem ser manipuladas.” Yuval Noah Harari Olá, Viajante do Tempo! Há quanto tempo! Estamos em 2050, muita coisa aconteceu desde nosso último encontro. A 1ª Pandemia Mundial e o Grande Reset de 2020 foram marcantes para a aceleração de mudanças... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 4: (Des)iludido

“Vida é o que lhe acontece, enquanto você está ocupado fazendo outros planos.” John Lennon Olá, Viajante do Tempo! Estamos nos anos 1980, numa noite de domingo. Amanhã tem escola, mas hoje vamos dormir só depois de assistir o novo número de ilusionismo do David Copperfield no Fantástico. A família toda está em frente à TV Mitsubishi de 20 polegadas, não... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 3: (Des)cansado

Olá, Viajante do Tempo! Nossa última conversa semana passada foi um grande susto, mas já passou. Faz uma semana desde o infarto e contínuo hospitalizado. Acabo de voltar 12 horas no tempo. Lembro-me de ter acordado às 6 da manhã, tomado um banho e ser levado deitado para o elevador... Fechei os olhos. Ao abri-los, encontrei minha querida Flávia: “Linda, quando será a... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 2: (Des)conectado

“Acima de todas as coisas, guarde seu coração, pois ele dirige o rumo de sua vida.” Rei Salomão de Israel Olá, Viajante do Tempo. Que bom nos reencontrarmos! Estou contente em podermos continuar nossa conversa sobre os graus de liberdade! Vamos explorar a conexão entre... Só um momento, por favor... Que sensação estranha é essa? Uma leve tontura... ... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium