revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #21 - Fevereiro 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

O que é sucesso?

“Não quero a beleza, quero a identidade”.
Clarice Lispector

O que é sucesso? Para alguns, é adotar certos padrões como ter um bom emprego e chegar ao nível mais alto da organização, ganhar o primeiro milhão antes dos trinta, possuir toda tecnologia disponível no merca­do, noivar, casar, ter filhos, man­ter um corpo escultural, circular com o carro do ano, vestir roupas de uma determinada marca e manter-se na moda. Para outros, uma vida bem sucedida é não li­gar para os bens materiais e viver uma vida simples. De qualquer forma, a sociedade sempre diz o que é bom pra você ou te faz acreditar no que é bom pra você. E talvez, muitas pessoas já experimentaram atender aos padrões sociais ao mesmo tem­po em que experimentam um sentimento de profundo vazio, talvez porque se sentem desco­nectadas de um sentido mais profundo da vida, de seu trabalho e dos re­lacionamentos. O suces­so torna-se incompleto e frágil quando a vida torna­-se incoerente, não mais alimenta o espírito, se des­conecta do sonho, gera de­sequilíbrio e deixa de expressar plenitude e felicidade em todas as suas áreas.

Como ter sucesso, manter-se harmonizado com os papéis so­ciais e realizar-se plenamente sem parecer um ET no mundo em que vivemos? Claro que não tenho a resposta. Mas se tentássemos compreender a relação de influências entre a sociedade e o indivíduo, pode­ríamos ampliar nosso campo de visão sobre o tema. Um modelo que pode nos ajudar nessa tarefa é o conceito dos Níveis Neurológicos, que reconhe­ce a existência de níveis organizados de forma hierárquica no indivíduo e nos grupos. O primeiro nível - do “ambien­te” - são os lugares que frequentamos e interagimos com outros, nossa comu­nidade (casa, trabalho e locais sociais). O segundo nível - “comportamento” - são as ações que realizamos no ambiente onde interagimos. O terceiro nível - das “capacidades” - são os talentos, habi­lidades e qualidades. O quarto nível - dos “valores” - são os motivos, as cren­ças que nos mobilizam e o quinto ní­vel é a “identidade” e define “o que sou e o que quero ser” em cada um dos papéis que queremos exercer na vida como pai/mãe, filho, esposo(a), líder, e qual é o impacto que causa­mos nas pessoas e, consequentemen­te, no mundo.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Você também é incongruente com o que faz e fala?

Muita gente relata ter escolhido trabalhar como coach, facilitador ou consultor por poder ter a oportunidade de se autodesenvolver enquanto apoia no desenvolvimento de outras pessoas. Parece que, quanto mais conhecemos nosso universo interno, padrões e nossos lados de luz e sombra, mais conseguimos apoiar nossos clientes a fazerem o mesmo. Mas daí, um fenômeno inesperado parece acontecer... leia mais

6 minutos

O que fazer perante uma parceria que não funciona?

Observo uma tendência de coaches em início de carreira buscarem parcerias profissionais baseando-se em vários pressupostos: juntos somos mais fortes, é melhor operar em redes, colaborar etc. Ou, talvez, optam por andar em parcerias como um antídoto contra a insegurança inicial que todo profissional precisa vencer. Mas, contradizendo os pressupostos de quando embarcaram na parceria,... leia mais

6 minutos

Qual o segredo para manter a felicidade e a motivação depois dos 80?

Mêncio, mestre da antiga China, chama de "saber inato o que não é necessário aprender, porque já se sabe." Você já parou para pensar se está crescendo em sabedoria conforme avança em idade? Um encontro espontâneo de apenas 15 minutos me chamou atenção para essa pergunta. Estava de férias na Alemanha, passeando com meu esposo, cunhado e sogro. Nosso destino era um Biergarten na... leia mais

5 minutos

Experiência sem sentir, faz sentido?

“Eu tinha sonhos e objetivos, bati metas, tive ascensão de carreira. Recebi aplausos. Me realizei, mas estava sempre em débito com alguma coisa. A carreira foi sem sentir. Até que um dia, nada mais fazia sentido”. Essa frase é da Emma, uma colega coach, mas poderia ser minha. E acredito que alguns leitores coaches e profissionais de desenvolvimento se identificam com ela também. ... leia mais

5 minutos

Crescer pode doer?

“Antes eu gostava de ouvir histórias das pessoas mais experientes e me deslumbrava com toda a experiência que tinham para contar. Agora, sou eu que tenho um monte de histórias pra contar e as pessoas parecem gostar de escutar.” A frase acima é de uma admirável amiga coach executiva, Clara, com mais de 30 anos de experiência. Ela está passando por uma transição de vida aos 60... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium