revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #21 - Fevereiro 2015

Localize rapidamente o conteúdo desejado

BLOQUEIO NA LINGUAGEM DA EMOÇÃO: Não posso, não sei ou não quero expressar?

Felipe, um menino com três anos de idade, depois de dis­cutir com o primo por causa do uso de um brinquedo que am­bos queriam, e não conseguin­do apoio dos adultos na sala de estar, entocou-se no quarto. Era um dia festivo e a casa estava cheia de parentes e amigos, e pri­mos seus de idade próxima. Na sala havia um lanche delicioso sobre a mesa, sorrisos, conversas e brincadeiras, mas Felipe man­teve-se emburrado dentro do quarto por algumas horas. Notando sua ausência, uma de suas tias foi até ele e, vendo-o sentado na cama sozinho de bra­ços cruzados, com face vermelha e fazendo beicinho, lhe fez a se­guinte pergunta: “- O que você está sentindo, meu querido?” A resposta do garoto foi: “- Eu não sei não. Não sei o nome disso, tia.” E permaneceu com cara de zangado.

Imagina-se que dar nome a uma emoção, uma sensação ou um sentimento, seja para nós, adultos, mais fácil que para um garoto tão pequeno. Contudo, nós que já somos bem crescidos, também nos vemos costumeiramente com dificuldades nesse âmbito.

Tristeza, raiva, alegria, medo, dor, decepção, cansaço e impaciência, por exemplo, são palavras com as quais procuramos expressar os afetos que sentimos e, no mo­mento em que os classificamos, podemos começar um processo de compreensão dos nossos es­tados interiores. Reconhecer e nomear já pode representar um caminho para uma mudança. Não saber ou não conseguir ver­balizar os nomes desses afetos pode ser uma espécie de blo­queio que dificulta a administra­ção do seu dinamismo em nós.

Quando alguém procura um co­ach, traz questões relacionadas à sua emocionalidade mesmo que não saiba nominá-las. E embora não seja uma das linhas de tra­balho da maioria dos profissio­nais de coaching, quase todas as questões dos clientes têm repercussões no âmbito das emoções, podendo represen­tar uma porta para que eles possam parir suas soluções.

Um caso elucidativo

Um coachee buscava obter maior organização no sentido da ampliação da sua empresa. Essa era inicialmente a sua de­manda: aumentar rendimen­tos a partir da extensão do es­pectro de suas atividades. Curiosamente, só após três ses­sões, chegamos àquilo que mais o incomodava: administrar as emoções desencontradas em relação ao seu filho, que era um dos seus colaboradores, e cujo profissionalismo ele questiona­va. “- Se eu aumentar as responsa­bilidades dele,”- confessou – “- ele terá mais trabalho com o aumen­to do número de clientes e a qua­lidade do serviço ficará compro­metida. Como eu vou dizer a ele que não confio em seu trabalho? Como vou falar que me sinto triste com sua inépcia e sua incompetência? Ele é meu fi­lho e eu o amo.”
Percebendo os bloqueios que esse coachee tinha para falar so­bre essas emoções comigo, imagi­nei o quão difícil era para ele ex­pressar esses afetos para o filho.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Humanizar a comunicação: reivindicar e pesquisar práticas comunicativas humanizadas

“[Comunicar] trata-se de fazer o outro chegar perto da emoção e da força do vivido.” Ciro Marcondes Filho (2019, p. 26) Quando observamos a circulação do termo “comunicação” acompanhado de adjetivos que reforçam suas qualidades subjacentes, entendemos que pode haver uma ponta de denúncia e outra de reivindicação. Denúncia de uma comunicação mecânica, automática e... leia mais

14 minutos

Gestão de crise nas organizações: a necessidade da inteligência emocional em todas as etapas

Nunca fomos tão desafiados a gerenciar crises como no cenário atual. A pandemia causada pela COVID-19 trouxe um enorme desafio global, onde vida e morte estavam e ainda estão no centro das decisões mundiais. Dilemas de ordem política, econômica e ideológica tornaram-se evidentes, e crises diplomáticas surgem na corrida pelas respostas e soluções de enfrentamento. No campo mais... leia mais

14 minutos

Responsabilidade Social: o olhar de quem cuida

Só há uma norma pela qual uma época pode ser justamente julgada: em que medida ela permitiu o desenvolvimento da dignidade humana? Romano Guardini Assim como toda empresa é mais que uma atividade econômica, é, antes de tudo uma atividade dirigida por pessoas a serviço da sociedade, entendo que toda profissão – seja ela qual for -, carrega em si uma responsabilidade... leia mais

15 minutos

Os Fundamentos Generativos dos Resultados nas Organizações

Vendo Organizações com Novos Olhos Como seres humanos, sempre vivemos no mundo que podemos ver. Também convivemos com o que os psicólogos chamam de "cegueira cognitiva". Cegueira é a condição em que não sabemos o que não sabemos. Por exemplo, eu não fui treinado como médico, então eu não tenho as distinções, os "olhos" para ver o que um médico pode ver. O médico vê corpos de... leia mais

16 minutos

Tempos Pós-Normais: A Mudança está Mudando

“Existem dois tipos de mudança: a que nos acontece e a que fazemos acontecer.” Rosa Alegria Estamos entrando numa nova era da história. Saindo de um modelo que não estava dando certo – entrando num outro que ainda está por mostrar a que veio, nos defrontamos com o mais alto grau de incerteza já vivido, inaugurado pela pandemia covid19. O contato da experiência... leia mais

15 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium