revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #2 - Julho 2013

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Coaching e o momento da precificação

Se você está lendo esta revista é porque certamente tem interesse na prática de Coaching, como desenvolvê-la e como se tornar um profissional qualificado da área. Mas, geralmente, depois de ter feito sua formação, a dúvida que fica é justamente como precificar o serviço prestado. Como fazê-lo? Qual o pre­ço justo a ser cobrado? Como agregar valor ao trabalho desenvolvido? Como demonstrá-lo ao cliente? Como lidar com os contratantes que priorizam o preço em vez da qualidade? Antes de analisarmos cada um desses pontos, precisamos chamar a atenção para um aspecto: o Coaching ainda não é uma profissão regulamentada. Sendo assim, cada Coach é livre para estabelecer os preços de seus serviços bem como suas formas de pagamento. Caso diferen­te, por exemplo, dos profissionais de arquitetura, que têm um piso mínimo como referência, ou seja, algo em torno de R$ 4 mil por seis horas.

Para complicar ainda mais este cenário, alguns programas de formação anun­ciam seus cursos com frases bombásti­cas do tipo: “Faça o curso de coaching e fique rico”.

O que recomendo para os Coaches ini­ciantes é que eles tenham como base as suas remunerações de cargos ante­riores, somando todos os benefícios que antes eram recebidos, divididos por horas de trabalho. Assim criarão uma referência para o preço mínimo que precisam cobrar pelo serviço de Coaching, para não perder poder aqui­sitivo. No entanto, este valor no início será uma meta, pois nem todos vão conseguir este valor.

Agora, para que o trabalho seja valoriza­do diante dos olhos dos clientes, o Co­ach deve adquirir experiência e novas vivências, o que agrega significativo va­lor e chancela o preço cobrado. Essa ex­periência deve ser adquirida através da prática constante, levando consequen­temente o Coach a um melhor exercício da profissão. E por que a prática faz o Coach se aperfeiçoar e melhorar suas técnicas? Conforme vamos adquirindo novos conhecimentos e informações, o nosso cérebro traça uma trilha de sinap­ses, porém uma trilha muito leve. Essas conexões são feitas igual­mente, por exemplo, quando aprendemos a dirigir. No início não conseguimos conversar com a pessoa ao lado, prestar aten­ção ao rádio, enfim realizar mais de uma tarefa ao mesmo tempo. Somente com o desenvolvimen­to da prática é possível fazermos essas coisas, além de dirigir. Ou seja, à medida que se vai pra­ticando, essa trilha de sinapses torna-se cada vez mais forte.

E é através disso que o Coach consegue se desenvolver, fican­do menos preso à técnica e rea­lizando o trabalho de forma na­tural e eficaz. Dessa forma, ele perceberá que o resultado será obtido de forma bem mais pro­funda do que no início da car­reira, além de que cada vez que ele adquire maior experiência, o valor cobrado pelo serviço pode ser mais alto, pois absorverá mais prática em relação à apli­cação das técnicas do Coaching.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Bem-dizer a autenticidade

Ninguém duvida que o mundo seria um lugar melhor se as pessoas se comunicassem com respeito, empatia e cuidado consigo mesmas e com os outros. A Comunicação Autêntica surge como uma prática recente, que procura dar conta desse ideal, ou propósito. Suas práticas são tão diversas quanto seu corpo conceitual, que tem inspirações desde a Psicologia Humanista, de Carl Rogers, até a... leia mais

11 minutos

Mindfulness & Inteligência Emocional

“O termo Saúde Mental está relacionado à forma como uma pessoa reage às exigências, desafios e mudanças da vida e ao modo como harmoniza suas ideias e emoções” (www.einstein.br/saudemental). Mindfulness & Saúde Mental Após duas décadas de trabalho com a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) junto a pessoas que sofriam de ansiedade, depressão, comportamentos compulsivos dentre... leia mais

14 minutos

Liderar líderes voluntários: um aprendizado para a vida

“Admiro as pessoas que brilham como as estrelas, mas aprendi a admirar, o brilho maior, muitas vezes invisível, dos produtores de estrelas”. Luiz Carlos Campos Com muito prazer aceitei o convite de escrever este artigo sobre as minhas práticas e vivências na liderança voluntária. Não poderia começar sem mencionar o quanto aprendi com duas pessoas que marcaram a... leia mais

13 minutos

De “Fazedora” a Líder – Uma Jornada Generativa

Esta jornada que convido vocês a navegarem comigo começa no seminário “Foundations of Generative Leadership” (Fundamentos da Liderança Generativa), que assisti com Bob Dunham. Neste seminário, ele fez uma pergunta tão simples e poderosa como essa: “What do you care about?” (Com o que você se importa? O que lhe importa cuidar?). Abro aqui espaço para um contexto. Eu sempre fui... leia mais

13 minutos

Transformação Digital, complexidade, pessoas e futuro

Falar de transformação digital é falar de gente, nunca de tecnologias, é falar sobre como as tecnologias exponenciais combinadas entre si podem mudar a feição da própria sociedade e sobre os benefícios que elas trazem às pessoas. Tecnologias nunca foram uma finalidade em si, elas se esgotam, são meios pelos quais buscamos a melhoria da qualidade da vida humana, porém ao longo do... leia mais

18 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium