revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #19 - Dezembro 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Sócrates e a origem do Coaching

Se você se recorda, amigo/a leitor/a, em nosso último encontro versamos sobre imutabilidade e fluxo e suas relações com os processos de Co­aching. Fomos apresentados ao Ser de Parmê­nides e à mudança de Heráclito, e lá pelas tan­tas engrossamos o coro em nome de Heráclito, bradando alto e em bom tom a necessidade da aceitação da transitoriedade para que possa­mos ser bons coaches e também bons clientes/coachees. Todavia, quando falamos de Filoso­fia, é prudente abandonar todo tipo de postura rígida e inflexível, pois, apesar de discordar em alguns detalhes, os filósofos tendem a concor­dar entre si quanto a inúmeros outros aspec­tos. Por este motivo, se quisermos continuar caminhando pela trilha do pensamento filosó­fico ocidental, pontuando suas interfaces com a prática do Coaching, precisaremos legitimar a busca parmenidiana, pois dela emanaram grandes questionamentos e importantes sis­temas filosóficos que nortearam nossas ações em determinados momentos da história. Além disso, hipotetiza-se que Parmênides tenha in­fluenciado o pensamento de Sócrates, uma das personagens mais importantes de nossa civilização, e que guarda grande afi­nidade com aquilo que chamamos de Coaching.

Sócrates (469 a.C – 399 a.C) foi um fi­lósofo que viveu em Atenas, na Gré­cia, e costuma-se afirmar que foi um dos fundadores da filosofia ocidental, ainda que sua figura esteja envolta em grande mistério, pois tudo o que se sabe sobre ele nos foi legado pe­las obras de seus alunos, como Xeno­fonte e Platão. Este último o elegeu como personagem principal de suas obras escritas na forma de diálogos, e um desses diálogos recebe o nome de Parmênides. As personagens princi­pais desse conhecido diálogo platôni­co são o próprio Parmênides, o ainda jovem Sócrates e Zenão de Eleia. Esta obra de Platão nos faz pensar que Só­crates possa realmente ter tido conta­to com Parmênides em sua juventude, e que a filosofia parmenidiana tenha influenciado profundamente seu pen­samento. É digno de nota que, antes de Sócrates, os filósofos estavam preocupados com o entendimento da natureza. Segundo o filósofo romano Cícero, coube a Sócrates transferir a Filosofia do céu para terra, ou seja, Sócrates apropriou-se da maneira so­fisticada com que Parmênides e seus antecessores – os filósofos pré-socrá­ticos - pensavam as questões sobre o universo, e a transferiu para o âmbito da ética, das relações humanas, dos desafios da convivência na cidade.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coaching, Razão e Spinoza. Primórdios da Inteligência Emocional - Parte 3

O legado, ainda que não reconhecido, de Spinoza Como vimos da edição passada, a filosofia de Spinoza também é encontrada imbuída na psicologia moderna, muito embora inúme­ros psicólogos e neurocientistas desconheçam esta aproximação. O texto abaixo foi retirado da orelha de um livro que se tornou um best seller na década de noventa, e até hoje reverbera nas mais di­versas áreas... leia mais

13 minutos

Coaching, Emoção e Spinoza. Um olhar sobre os afetos - Parte 2

Na edição passada, versamos um pouco sobre a Filosofia de Spinoza, filósofo holandês que acredita que a razão pode nos auxiliar a entender nossas paixões, ainda que nunca lhe seja concedida a primazia de controlá-las. Spinoza também acredita que algumas paixões/emoções/afetos estão mais de acordo com a razão. Quais seriam esses afetos? Como pode a razão nos ajudar a adquirir certos... leia mais

17 minutos

Coaching, Emoção e Spinoza. Um olhar sobre os afetos - Parte 1

“Todo filósofo tem duas filosofias: a sua e a de Spinoza.”Henry Bergson Spinoza, um homem fora de seu tempo Imagine-se conduzindo uma reunião de trabalho quando um de seus colaboradores começa a versar sobre acontecimentos que envolveram ele e um ges­tor do departamento onde você ocupa um cargo de liderança. A emoção gradativamente vai se­questrando-o, e dentro de pou­co... leia mais

18 minutos

Maquiavel. Será que você pode aceitá-lo? - Parte 3

Os fins justificam os meios? Olá, caro/a amigo/a leitor/a. Che­gamos ao final da saga maquia­veliana. A partir de hoje espero que este conhecimento possa abalizar ainda mais suas ações como amante da complexidade da natureza humana. Vamos fi­nalizar suas ideias? Maquiavel nunca afirmou que o Príncipe deva se esforçar para ser somente temido, como al­guns interpretaram... leia mais

18 minutos

Maquiavel. Será que você pode aceitá-lo? - Parte 2

Sobre desejos e condutas “maquiavélicos” Olá, caro/a amigo/a leitor/a. Como pactuado na edição passada, continuaremos a versar sobre Maquiavel e sua relação com o Coaching e com aspectos ligados à prática da liderança e do manejo do poder, sempre atrelado a esta última. No entanto, para que possamos terminar nossa linha de raciocínio, pontuando a “moral da história” ainda... leia mais

17 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium