revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #18 - Novembro 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Livrando-se das metas que NÃO SÃO SUAS

Meta. O pote de ouro no fim do arco-íris. A recompensa pelo sacrifício oferecido. A busca para que um desejo se torne realidade, o ponto de referência no mapa...

Quais são suas metas? Profissio­nais, pessoais, relacionais, etc? Você tem estas metas claras e definidas? Quando foram cria­das? Talvez estas perguntas não sejam tão difíceis de se respon­der. Mas seria bom termos mais elementos para lidarmos com estas questões.

O ser humano já foi definido como dual por diversas fontes e origens. Dizem que o ser hu­mano é animal e racional, bom e mau, corpo e alma, yin e yang, etc. No coaching também tive­mos estes conceitos desde o início. Tim Gallwey, conhecido por muitos como o “Pai do Coa­ching” e criador da metodologia, compreendeu que o ser humano tinha duas vozes de comando dentro de si: Self 1 e Self 2. Re­nato Ricci escreveu sobre Tim e alguns de seus conceitos (inclusive Self 1 e Self 2) na 1ª edição da Revista Coaching Brasil. Um pou­co mais adiante nos aprofunda­remos nestas duas vozes. Neste momento, o importante é saber­mos de suas existências. Além disso, vivemos em um mundo de projeções de introjeções. Por um lado, projetamos nos outros conflitos e situações que nos pertencem. Por outro lado, acei­tamos as projeções dos outros sobre nós, muitas vezes, criando “verdades mentirosas” dentro de nós mesmos. Será que esta di­nâmica também não ocorre com as metas? Será que nossas metas são realmente nossas? Ou existe a possibilidade de serem metas impostas (explícita ou implici­tamente) pela sociedade, pelos pais, familiares, empresa,etc? Já estas perguntas talvez sejam um pouco mais complexas para se­rem respondidas.

Para respondermos a todas estas indagações com clareza e criarmos consciência sobre toda a realidade relacionada às nossas metas, é necessário que separemos o joio do trigo. Precisamos compreender quais são os interesses de nossa famí­lia em nós, os desejos e expec­tativas de nossa empresa sobre nós, as demandas da sociedade a serem correspondidas por nós e principalmente, precisa­mos perceber e nos conscien­tizarmos de nossos próprios desejos, interesses e expecta­tivas sobre nós mesmos. Ne­cessitamos nos conhecer cada vez mais para que possamos entender melhor nossas metas e podermos avaliar se as metas atuais condizem com quem re­almente somos.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O tempo é agora: dê o passo em direção à sua felicidade

O ano era 2015 e eu estava a pleno vapor me dividindo entre 3 atividades profissionais, uma nova graduação, além da jornada de mãe de 3 filhas e dona de casa solo. Me sentia energizada, num ritmo frenético que fazia sentir-me viva e super bem. A enxaqueca me pegava sempre, mas isso era herança genética, nada que uma alta dose de analgésicos não resolvesse. Havia também uma certa... leia mais

9 minutos

Diversidade cultural: o que nos torna verdadeiramente ricos

Neste mundo globalizado, ser diferente é o que nos torna únicos, mas também semelhantes. E quando falamos de diferenças estamos praticamente falando de diferenças culturais. Mas o que exatamente é cultura? E a que nos referimos com o termo "diversidade cultural"? Nós italianos, também, pelas mesmas razões, vivemos em um país extremamente heterogêneo: no Norte, no Centro e no Sul... leia mais

10 minutos

Liderança e Segurança Psicológica – uma jornada com final feliz!

Foi num domingo de manhã que acessei o LinkedIn e surgiu aquele post convidando à formação da primeira turma em Segurança Psicológica de Times. Mais um pouco e me convidou a clicar em “saiba mais”. Pois é, hoje estou aqui irremediavelmente apaixonada pelo tema, escrevendo para vocês. Quando me aproximei de fato do conceito, vi que tudo aquilo que sempre imaginei como liderança tinha... leia mais

12 minutos

Escuta, amor em prática!

“Quando eu falo de amor, não estou falando de uma reação sentimental  e fraca. Estou falando daquela força que todas as grandes religiões veem como supremo princípio unificador da vida. O amor, de alguma forma, é a chave que abre a porta que leva à última realidade. Essa crença hindu-muçulmana-cristã-judaico-budista é lindamente resumida em amemos- uns aos outros” Martin... leia mais

11 minutos

Aproveitar o poder do instinto e do eu espiritual no trabalho

(Work – Harness the power of instinct & human spirit at work) Este artigo está baseado na palestra proferida durante o Converge21 pelas coaches Flame Schoeder, MCC e Donna King, ACC. Uma reflexão Quando fui convidado por Cândida Semensato, presidente da ICF Brasil Chapter, para escrever um artigo para esta importante Revista Coaching Brasil, eu não fazia ideia de qual tema... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium