revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #18 - Novembro 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Coaching de Plástico

Temos muitos benefícios relacionados ao fato dessa prática ter entrado for­temente nos discursos corporativos e acadêmicos. Criamos espaços para conversas significativas, que estão cada vez mais raras por razões diver­sas, como a falta de tempo em virtude da pressão por resultados, a falta de interesse e de recursos para olharmos para nós mesmos e para nossos com­portamentos. Além disso, na minha experiência, tenho visto cada vez mais a aridez de repertório individual para que uma conversa significativa possa se sustentar.

Toda nova disciplina ou nova profissão necessita de um “tempo de acomodação” para se consolidar enquanto tal e quando olhamos para o traje­to do Coaching enquanto nova disciplina, vemos que muitas iniciativas vêm sendo empreen­didas, principalmente no sen­tido de capitalizar a qualquer custo tudo que o envolva.

Um exemplo disso é o surgi­mento de inúmeros cursos que se propõem a formar coaches em 2 ou 4 dias. As formações vira­ram uma indústria e seus pro­ponentes, na maioria das vezes, sequer fazem atendimentos de Coaching ou trabalham com equipes. São pessoas que se ex­pressam razoavelmente bem e falam de um “mundo ideal” do Coaching, que raramente se concretiza na prática.

Recebi recentemente um anún­cio por e-mail de uma pessoa que se propunha a “revelar” em apenas uma hora, on-line, segredos que as escolas de formação não “querem” que ninguém saiba. É claro que de­pois disso eram desfiadas uma a uma as contas do “rosário” de promessas de facilidades, de passo-a-passo, de reconhe­cimento público, e de renda satisfatória e abundante. Um negócio que, diga-se de passa­gem, eu adoraria ter!

E é com essa esperança que nascem algumas escolas de Coaching que ministram for­mações e, literalmente, arre­messam no mercado o que tenho chamado de “órfãos do Coaching”, ou seja, pessoas que investiram alto e não têm a menor ideia do que fazer com aquele pacote de ferramentas que lhes foi entregue em um fim de semana, além de espera­rem (ingenuamente) que fica­rão milionários.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Imunidade à Mudança e Carreira

A imunidade à mudança e a velocidade na carreira.  Velocidade! É a palavra que eu mais ouço dos coachees quando uso a ferramenta ITC – Immunity to Change, elaborada por Robert Kegan e Lisa Lahey. Velocidade para chegar ao lugar que realmente trava o movimento necessário para que a mudança desejada aconteça. Tive meu primeiro contato com a ferramenta em 2014 num evento organizado... leia mais

13 minutos

Espiritualidade, organizações e pandemia

Espiritualidade A espiritualidade é fundamental na vida das pessoas e das organizações! Mas... esta afirmação é vista muitas vezes com desconfiança e pouco útil para a vida prática. Organizações precisam atender aos seus clientes, devem gerar resultados, e o lugar da espiritualidade é nos templos religiosos! Esta é uma típica reação que encontraremos ao abordar o tema. O... leia mais

13 minutos

Coaching Baseado em Pontos Fortes

A abordagem do coaching de Pontos Fortes vem sendo desenvolvida pela Gallup há décadas, baseada no sonho de Don Clifton de que pudéssemos olhar cada ser humano a partir do que tem de melhor. E tal abordagem vem revolucionando a forma como as pessoas pensam sobre desenvolvimento humano, profissional e empresarial. Talentos e Pontos Fortes O coaching orientado pelos pontos fortes dos... leia mais

13 minutos

Pen It!: Fazendo amizade com nossas vulnerabilidades.......em uma página

{"Escrevo inteiramente para encontrar o que estou pensando, o que estou vendo, o que vejo e o que isso significa, o que quero e o que temo"} Joan Didion [1] Ficar cara a cara com a nossa própria vulnerabilidade faz parte da jornada de cada pessoa ao logo da vida. O que fazemos quando estamos nesses pontos sensíveis tem sido o material para grandes poesias, filmes, músicas e histórias ao... leia mais

13 minutos

O Trabalho do Terapeuta Organizacional com base na AIT

Você acha que é possível se permitir sentir quando está trabalhando? Esta pergunta pode parecer ter uma resposta óbvia, e esta resposta vinda de sua mente poderá ser: “sim”. O que fico aqui me perguntando é que se isso parece tão óbvio, para muitos de nós, por que majoritariamente o ambiente organizacional tem se mostrado um contexto frio, insensível, composto de pessoas usando... leia mais

12 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium