revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #15 - Agosto 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Por que parece tão difícil ser feliz?

Quantas vezes nos pegamos dizen­do para nós mesmos, “Eu só quero ser feliz...”? Mas, por que parece tão difícil ser feliz?

O mestre budista Lama Yeshe nos esclarece de uma maneira simples e direta: 

“Sentindo-nos um tanto incompletos, inseguros e insatis­feitos, procuramos externamente a nós por alguma coisa ou alguém que nos faça sentir inteiros. Cons­ciente ou inconscientemente, pen­samos: '- Se eu tivesse isto ou aqui­lo, então eu seria feliz!'. Com este pensamento a nos impulsionar, tentamos possuir qualquer obje­to atraente que pareça satisfazer nosso desejo. Nesse processo, transformamos o objeto em um ídolo, superestimando suas qua­lidades atraentes até ele ter pou­ca semelhança com sua natureza real. Nessa tentativa de possuir esse objeto de desejo superesti­mado, podemos ter êxito ou não. Se não tivermos êxito em nosso esforço – se o objeto permane­ce além de nosso alcance – então naturalmente nos desapontamos; quanto mais desejamos o objeto, mais perturbados ficamos se não conseguimos possuí-lo. Mas o que acontece se temos êxito, se conse­guimos o que desejamos? Aquilo que temos em mãos e aquilo que esperávamos obter revelam-se duas coisas bem diferentes. Pois aquilo que temos em mãos não é a imagem de nossos sonhos, tão ansiada – a solução permanente, completa e sempre satisfatória de nossos maiores problemas – mas algo tão imperfeito, incompleto e impermanente quanto a nós mes­mos. Essa pessoa ou coisa pode até nos dar algum prazer mo­mentâneo, mas nunca poderá corresponder às expectativas que tínhamos a seu respeito. E mais cedo ou mais tarde nos sentimos enganados e muito desapontados.”
(Yeshe, Lama, Introdução ao Tantra, Ed. Gaia)

Portanto, vamos começar por entender o que não é felicida­de, apesar de parecer ser. Por exemplo, sentir o prazer em comprar algo que queremos muito mas que, na realidade, desejamos há pouco tempo não é felicidade, mas sim o alívio imediato de uma ansiedade in­terna que busca por satisfação.

Felicidade não é um estado ex­plosivo e descontrolado no qual podemos perder o controle gri­tando, rindo ou dançando “lou­camente” com a música bem alta. Podemos sentir um gran­de prazer em fazê-lo, mas de­pois iremos cair num estado de exaustão que muitos reconhe­cem como “o dia seguinte”. Por isso, embebedar-se ou fazer uso de qualquer droga pode ge­rar um grande prazer momentâ­neo, mas não gera felicidade.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Grupo 1 - Entendendo o Ser Humano

Quem sou Eu, de onde vim, o que estou fazendo aqui e para onde vou? Essas são três questões fundamentais que perturbam o ser humano desde tempos imemoriais. Nesse primeiro grupo selecionei temas que vão da Felicidade até a Espiritualidade, passando por metas, mudanças, bloqueios, burnout e dois dossiês focados na mulher, que estão excelentes. Em um mundo do trabalho tão... leia mais

6 minutos

A confiança, base de todo relacionamento na vida e no trabalho - Como medi-la para melhor performar

1 - A confiança, o que é, e, o que não é? A confiança é uma competência comportamental de relacionamento. Alguns comportamentos, conscientes ou não, nos aproximam das pessoas, enquanto alguns outros nos afastam. A competência da confiança não se encontra na capacidade de confiar em todos e tudo. Confiar demasiado por ser perigoso tanto quanto desconfiar demais. Portanto a... leia mais

13 minutos

Um ponto de partida… jamais uma linha de chegada

Há em cada ser vivo uma parte que deseja que ele se torne o que é: o girino em sapo, a crisálida em borboleta, o ser machucado em um ser inteiro. Somos seres complexos por natureza, vivendo em um tempo de regeneração. Pelos desafios que chegam até nós, somos convidados pela vida diariamente a fazer escolhas, estas por sua vez podem ser de modo deliberado e consciente ou escolhas... leia mais

13 minutos

O desenvolvimento infantil na perspectiva psicanalítica

“Numa Psicanálise, descobre -se que a vida adulta é sempre menos adulta do que parece: ela é pilotada por restos e rastros da infância.” Contardo Calligaris "Para falarmos sobre desenvolvimento infantil, é importante abordar a construção do conceito de Infância. Etimologicamente, 'infância' do latim 'infantia', refere-se àquele que ainda não é capaz de falar,... leia mais

13 minutos

O que a Neurociência diz sobre a Procrastinação

A procrastinação é um tema muito estudado por várias áreas de pesquisa, como a Psicologia, Pedagogia, Administração e a Neurociência. Embora não haja ainda uma definição única a respeito do fenômeno da procrastinação, graças a grandes avanços nessas áreas, nós sabemos bem mais sobre o que é e como acontece a procrastinação, assim como seus principais efeitos e... leia mais

9 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium