revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #13 - Junho 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Se quiser crescer, abrace suas vulnerabilidades

“Estou convencido das minhas próprias limitações – e esta convicção é minha força”. - Gandhi 

Diante de uma plateia atenta, com um público formado predominantemente por executivos, o ilustre orador recebe a primeira pergunta previamente selecionada. Pensa alguns segundos sobre ela e quando decide falar, solta um desconcertante: 

“I don’t know”.

Lembro-me do sentimento de perturbação e decepção diante dessa resposta, especialmente por se tratar de ninguém menos que Sua Santidade, Dalai Lama, que na ocasião, abria sua visita ao Brasil durante o mês de setembro de 2011. Mas o sentimento de decepção durou até a resposta ser complementada com algo como:

"Bem, mas nós podemos juntos aprender sobre isso.” 

E aquele sentimento inicial deu lugar a uma profunda sensação de alívio. Essa experiência me colocou em contato com uma das minhas maiores fraquezas – achar que tudo tem ou deveria ter uma resposta plausível – e o fato do Dalai Lama não ter uma resposta para uma questão da plateia (veja que a pergunta aqui se tornou irrelevante) ou nem mesmo ter dado uma opinião a respeito, me trouxe na época, uma importante reflexão sobre reconhecer meus pontos fracos, admitir minha ignorância para certas coisas e aprender a se livrar do peso de ter sempre uma resposta para tudo – minha ou dos outros.

Essa ideia foi ampliada quando assisti ao TED Talks de Brené Brown, autora do livro “A coragem de ser imperfeito”, onde ela traz algumas reflexões interessantes sobre vulnerabilidade. Segundo Brené, a vulnerabilidade é o centro do medo e da vergonha, percebíveis no pensamento ou discurso de muitos de nós do tipo “não sou bom o suficiente”, “não sou competente o suficiente”, “não sou bonita ou magra o suficiente”, sendo esses pensamentos apenas sintomas de um modelo mental de escassez e uma profunda desconexão (do ambiente e de si mesmas). A vergonha é o medo da desconexão e as pessoas querem ser aceitas, querem pertencimento, seja essa pessoa um executivo que se esforça para sanar seus gaps ou um estudante que vai para terapia para eliminar sua gagueira. Sofrem a pressão de que “aquilo que as pessoas souberem sobre mim poderá me fazer pensar que não mereço pertencer”. Ambos querem conexão, pois é ela que dá significado para a vida.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

O caminho sem volta do autodesenvolvimento

Quase tudo que faço está voltado para desenvolvimento e autodesenvolvimento, então escrever sobre o tema “Eu cada vez melhor” parece-me absolutamente em sincronia comigo. Percebi sincronicidade também no momento em que me chamaram para escrever aqui. No mesmo dia do convite, havia trocado mensagens com uma colega querida sobre a intenção de criar um programa para promover as reflexões... leia mais

7 minutos

Seis Graus de Liberdade – 6: (Des)apegado

“Todos os modelos estão errados. Alguns são úteis.” George E. P. Box Olá, Viajante do Tempo! Está sentindo o frescor no ambiente? E o som gostoso da chuva, abafando o canto dos pássaros, que se escondem no limoeiro à nossa frente? Se você tivesse chegado aqui um pouco antes, teria visto um lindo arco-íris entre nós e a Pedra Grande de Atibaia. Ah, o bolo... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 5: (Des)atualizado

“As pessoas mais fáceis de manipular são as que acreditam no Livre-Arbítrio, porque pensam que não podem ser manipuladas.” Yuval Noah Harari Olá, Viajante do Tempo! Há quanto tempo! Estamos em 2050, muita coisa aconteceu desde nosso último encontro. A 1ª Pandemia Mundial e o Grande Reset de 2020 foram marcantes para a aceleração de mudanças... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 4: (Des)iludido

“Vida é o que lhe acontece, enquanto você está ocupado fazendo outros planos.” John Lennon Olá, Viajante do Tempo! Estamos nos anos 1980, numa noite de domingo. Amanhã tem escola, mas hoje vamos dormir só depois de assistir o novo número de ilusionismo do David Copperfield no Fantástico. A família toda está em frente à TV Mitsubishi de 20 polegadas, não... leia mais

6 minutos

Seis Graus de Liberdade – 3: (Des)cansado

Olá, Viajante do Tempo! Nossa última conversa semana passada foi um grande susto, mas já passou. Faz uma semana desde o infarto e contínuo hospitalizado. Acabo de voltar 12 horas no tempo. Lembro-me de ter acordado às 6 da manhã, tomado um banho e ser levado deitado para o elevador... Fechei os olhos. Ao abri-los, encontrei minha querida Flávia: “Linda, quando será a... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium