revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #13 - Junho 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Se quiser crescer, abrace suas vulnerabilidades

“Estou convencido das minhas próprias limitações – e esta convicção é minha força”. - Gandhi 

Diante de uma plateia atenta, com um público formado predominantemente por executivos, o ilustre orador recebe a primeira pergunta previamente selecionada. Pensa alguns segundos sobre ela e quando decide falar, solta um desconcertante: 

“I don’t know”.

Lembro-me do sentimento de perturbação e decepção diante dessa resposta, especialmente por se tratar de ninguém menos que Sua Santidade, Dalai Lama, que na ocasião, abria sua visita ao Brasil durante o mês de setembro de 2011. Mas o sentimento de decepção durou até a resposta ser complementada com algo como:

"Bem, mas nós podemos juntos aprender sobre isso.” 

E aquele sentimento inicial deu lugar a uma profunda sensação de alívio. Essa experiência me colocou em contato com uma das minhas maiores fraquezas – achar que tudo tem ou deveria ter uma resposta plausível – e o fato do Dalai Lama não ter uma resposta para uma questão da plateia (veja que a pergunta aqui se tornou irrelevante) ou nem mesmo ter dado uma opinião a respeito, me trouxe na época, uma importante reflexão sobre reconhecer meus pontos fracos, admitir minha ignorância para certas coisas e aprender a se livrar do peso de ter sempre uma resposta para tudo – minha ou dos outros.

Essa ideia foi ampliada quando assisti ao TED Talks de Brené Brown, autora do livro “A coragem de ser imperfeito”, onde ela traz algumas reflexões interessantes sobre vulnerabilidade. Segundo Brené, a vulnerabilidade é o centro do medo e da vergonha, percebíveis no pensamento ou discurso de muitos de nós do tipo “não sou bom o suficiente”, “não sou competente o suficiente”, “não sou bonita ou magra o suficiente”, sendo esses pensamentos apenas sintomas de um modelo mental de escassez e uma profunda desconexão (do ambiente e de si mesmas). A vergonha é o medo da desconexão e as pessoas querem ser aceitas, querem pertencimento, seja essa pessoa um executivo que se esforça para sanar seus gaps ou um estudante que vai para terapia para eliminar sua gagueira. Sofrem a pressão de que “aquilo que as pessoas souberem sobre mim poderá me fazer pensar que não mereço pertencer”. Ambos querem conexão, pois é ela que dá significado para a vida.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Eu, cada vez melhor - Ed. 84

Dia 08 outubro de 2019 fui trabalhar num lugar diferente. Fui para o Instituto Moreira Salles. Fiquei no café que tem por lá e ainda pude experimentar um pão de queijo de cabra delicioso! Me sentei na mesa compartilhada, e como estava cedo para a call que teria, comecei a fazer o esboço da palestra estou montando sobre protagonismo, inteligência emocional, autoconhecimento e outros... leia mais

3 minutos

Equilíbrio nos diálogos

Ao pensar sobre o que iria escrever nesse momento em que o mundo está num momento de transição de civilização recordei um material que fiz sobre conversas difíceis, feedback, e como transformar esses momentos em diálogos. Esse tema aparece em diversos ambientes e agora mais do que nunca estamos com um desafio de manter o equilíbrio nos diálogos. Gosto bastante do que Marshall Rosenberg... leia mais

6 minutos

O fantástico mundo de coisas que só acontecem na minha cabeça

Há tempos eu vinha lidando com uma questão incômoda e resolvi buscar ajuda terapêutica. Resolvi apostar na constelação familiar, por mapear sistemicamente elementos menos conscientes do problema. Para iniciar o processo, a consteladora me pediu para relatar o que eu buscava. Em tom de vítima desolada, despejei um monte de palavras: “Os clientes estão indo embora...... leia mais

6 minutos

Você também é incongruente com o que faz e fala?

Muita gente relata ter escolhido trabalhar como coach, facilitador ou consultor por poder ter a oportunidade de se autodesenvolver enquanto apoia no desenvolvimento de outras pessoas. Parece que, quanto mais conhecemos nosso universo interno, padrões e nossos lados de luz e sombra, mais conseguimos apoiar nossos clientes a fazerem o mesmo. Mas daí, um fenômeno inesperado parece acontecer... leia mais

6 minutos

O que fazer perante uma parceria que não funciona?

Observo uma tendência de coaches em início de carreira buscarem parcerias profissionais baseando-se em vários pressupostos: juntos somos mais fortes, é melhor operar em redes, colaborar etc. Ou, talvez, optam por andar em parcerias como um antídoto contra a insegurança inicial que todo profissional precisa vencer. Mas, contradizendo os pressupostos de quando embarcaram na parceria,... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium