revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #12 - Maio 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Editorial - Ed. 12

Na introdução do meu livro "Equipes e Cooperação", começo com uma pequena história: 

O pequeno João Pedro, com seus oito anos de idade, aprontava-se para ir à escola em uma manhã fria de inverno. Sentia frio na barriga, parecia que o estômago estava todo embrulhado. A cabeça doía. A mãe percebeu sua aflição e consolou o filho, dizendo que tudo da­ria certo e que não se preocupasse tanto. De nada adiantou. João Pedro estava tenso e foi caminhando lentamente para a escola, que ficava a poucas quadras de sua casa. Lá chegando, viu que seus colegas também estão tensos. Conversaram um pouco e até ensaiaram algumas brinca­deiras, mas todos emudecem ao som estridente do sinal que indicava o início das aulas. Caminharam cabisbaixos para a sala de aula como con­denados à forca. Sentados, a professora andou pela sala colocando sobre cada carteira uma folha impressa com os escritos virados para baixo. A tensão aumentou, até que ela disse a todos:
– Podem virar as provas e começar.
Uma solitária maratona teve início e para João Pedro parecia que sua vida acabaria ali. Teve a sensação de que nunca mais ia brincar, jogar bola ou andar de bicicleta. Ao final de 50 minutos de silencioso diálogo com seus pensamentos, o lápis, a borracha e a folha de papel, ele entre­gou sua prova de matemática.

Esta história é familiar a você? Praticamente todos nós, hoje adultos, passamos por uma situação semelhante a esta quando crianças. O Co­aching Educacional, busca reconectar o sentido do aprender, o prazer de aprender, a surpresa da descoberta e para isto, trabalha uma gran­de quebra de paradigmas: deixar o aprendizado acontecer, ao invés de despejar conteúdos sem sentido e cobrar respostas padronizadas.

O primeiro que precisa passar por uma profunda mudança é o educa­dor, que aprendeu a “ensinar” e agora precisa aprender a “facilitar a aprendizagem”, “deixar que o outro aprenda” e que o conteúdo faça sentido.

Como resgatar o “saboroso” do “saber”?

Com esta missão em vista, tivemos mais um grande time escrevendo nesta edição. Participaram do Dossiê Graça Santos, Ângela Teixeira, Clenir Streit e Julio Cesar Michelato. Ainda sobre o tema da edição, na seção “Para refletir”, temos contribuições de Joana Darc Silva e Lígia Feitosa.

Temos ainda a participação de Lucia Navarro, Lucila Marques, Bibianna Teodori, Káritas Ribas, Carlos Legal, Marcello Árias Dias Danucalov e Elisete Gonçalves.

Boa leitura,

Luciano Lannes
Editor

Artigo publicado em 18/05/2017
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Editorial - Ed. 100

Caros leitores, tenho tanto a compartilhar, falar, comentar, e ao mesmo tempo, um cansaço me invade a alma. Vivemos em uma sociedade que cultua a felicidade fácil, eterna, incondicional, que até originou o termo felicidade tóxica. Vivemos os tempos do empreendedorismo rumo ao sucesso, onde em vídeos e textos, experiências fantásticas são compartilhadas, do zero aos múltiplos... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 99

Caros leitores, falar sobre Burnout é muito importante, ainda mais em tempos de confinamento, isolamento social e uma sobrecarga de trabalho cada vez mais relatada e comentada. Quando defino um tema para o dossiê, o primeiro passo é eleger quem fará a coordenação, função mais que fundamental, pois esta figura, além de notório saber sobre o assunto, necessariamente precisa possuir... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 98

Caros leitores, foi no dia 26 de fevereiro de 2021 que Christine Bona De Napoli, em uma conversa que tivemos no WhatsApp, me propõe um dossiê sobre Codesenvolvimento. Começamos a papear,  e ela, apaixonadamente, começa a falar sobre a metodologia, origem, fundadores e as possibilidades que esta abordagem pode trazer para o mundo do Coaching e de quem trabalha com Desenvolvimento Humano... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 97

Caros leitores, esta é uma edição especial e comemorativa. Ela marca os oito anos desta caminhada, iniciada em uma viagem que fiz a Canela, no Rio Grande do Sul, para participar de uma formação em Storytelling, que também já foi tema de um dossiê. Naquela ocasião, já com minha consultoria há 5 anos, pensava em minha vida e carreira, e sentia que havia um espaço a ser... leia mais

4 minutos

Editorial - Ed. 96

Caros leitores, em seu artigo, Carolina Messias e Michelle Prazeres citam o sociólogo francês Philippe Zarifian, que conceitua o termo “comunicação autêntica” como: “um processo pelo qual se instaura uma compreensão recíproca e se forma um sentido compartilhado, resultando em um entendimento sobre as ações que os sujeitos envolvidos são levados a assumir juntos ou de maneira... leia mais

3 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium