revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #110 - Julho 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Jornadas do medo através da alma

O céu parece cair, o chão some, a luz se perde, o tempo foge, memórias congelam e o ar escapa... encolhimento, retração, terror, paralisia...

O que mais? Há quem diga que o pior medo é o medo de sentir medo. Temos medo ou ele nos tem? Além dos vestígios pessoais, o medo é uma herança ancestral e cultural e por isso confrontá-lo e lidar com ele parece inevitável a qualquer ser humano e vale ressaltar que oposto do medo não representa a coragem, mas simplesmente o “não-medo”.

Jung2, sugerem que a espécie humana é dotada de uma “mente imortal”, um grande repertório adaptativo, cujos estratos denotam sua evolução moral e cognitiva desde tempos primordiais. É como se cada um de nós carregasse dentro de si um estranho de um milhão de anos, portador inconsciente das memórias de aflições, especulações e medos nascidos da experiência humana através dos tempos. Livrar-se de nossos medos pode então não ser uma coisa tão simples ou corriqueira.

Ainda segundo Jung, a maioria das dificuldades vividas na modernidade resultam da perda de contato com nossos instintos e com essa antiquíssima sabedoria adaptativa armazenada. Trata-se de um recurso fundamental a qualquer um que se sinta derrotado em sua luta com problemas da existência individual ou coletiva. Esperanças e apreensões mais intimas, sonhos e fantasias, amplos redutos das mais variadas formas de medo, constituem uma importante chave para o contato com este ser antigo dentro de nós. E ele, vez ou outra, dá as caras quando menos esperado, por exemplo, quando do médico ouvimos o diagnóstico: “é grave”!

Muito embora vivamos uma época supostamente direcionada pela racionalidade científica e tecnológica, existimos em cosmovisões mais amplas, que incluem também política (conciliação de interesses), arte (modos e linguagens de expressão) e religião (crenças e expectativas de transcendência), temas estes que pautam ainda que de modo inconsciente, nossos medos, esperanças e decisões. Segundo Eudoro de Souza nossa vida e essa é seguramente uma das maiores fontes de medo em nossa existência.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Receita para mudar a Cultura Organizacional

Ingredientes: Triângulo Dialognóstico Exco Própolis Modo de preparo É simples (mas não é fácil). Não é “solução de camelô” pois, na verdade, requer muita prática e habilidade. Comece com o Triângulo Dialognóstico, assim chamado porque consiste em facilitar um diálogo com os líderes da organização para construir um diagnóstico compartilhado. O... leia mais

13 minutos

Aprendizagem Singular: criando valor de forma ágil e consistente

Para gerar valor na Complexidade, precisamos de uma nova forma de aprender. Para suportar as intensas mudanças nos próximos 20 anos, organizações, culturas, líderes, educadores e aprendizes compreendem que é necessário criar estratégias de capacitação que não esteja limitadas ao modo de ensinar, mas no fomento da aprendizagem singular, que modifica o desempenho, amplifica inovações... leia mais

12 minutos

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos

Vamos falar em Segurança Psicológica nas Organizações?

Você já deve ter ouvido por aí sobre o conceito de segurança psicológica. Se ainda não ouviu, está na hora! A não ser que a sua organização não esteja precisando inovar, crescer em um contexto de incertezas constantes ou engajar colaboradores, então esse artigo não é pra você. Mas, se você quer saber como conectar as pessoas com o futuro, tomar decisões mais inteligentes... leia mais

10 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium