revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #11 - Abril 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Equanimidade: estado de Ser para lidar com ganhos e perdas

“Reaja inteligentemente mesmo a um tratamento não inteligente.”
Lao Tsé

Na vida, o tempo todo, lidamos com ganhos e perdas e naturalmente, adoramos ganhar e não gostamos nem um pouco de perder. Diante de acontecimentos como a conquista de um novo trabalho, uma promoção, um novo cliente, o nascimento de um filho ou uma nova relação amorosa, temos reações e sentimentos de alegria, entusiasmo e euforia. Mas e quando perdemos? Como nos comportamos? Que reações e sentimentos nos afetam? Qual a qualidade e intensidade dessas reações diante de situações de ganho ou de perda? Muitas pessoas diante das perdas se deixam levar pela negatividade, desesperança, depressão e desespero, com a sensação de que o sofrimento decorrente da experiência da perda nunca terá fim. E ainda por cima, o dito popular “o que é bom, dura pouco” parece reforçar a ideia de longevidade do sofrimento, aumentando ainda mais o desespero diante de tamanha “injustiça divina”.

Mas o que é ganho? O que é perda? Será que o ganho é sempre algo positivo? Será que uma perda é sempre algo negativo?

E quando refletimos atentamente sobre nossas experiências passadas, invariavelmente nos deparamos com o fato de que algo que considerávamos um ganho se revelou ser uma perda e, inversamente, algo que tínhamos tomado como perda finalmente se revelou ser um ganho. E ainda há aquela situação de querer prender, se agarrar a um ganho, gerando o medo de perder aquilo que foi ganho, assim como o apego que naturalmente temos com o sucesso e ao mesmo tempo o medo do fracasso. Deu um nó? Só estamos começando.

Se cada pessoa e cada cultura tem seu mindset sobre o que é sucesso ou fracasso e quando nos agarramos a modelos pré-definidos, sem contextualizar o que é vivido, poderemos nos expor a sofrimentos e decepções.

Então, saber relativizar nossos pressupostos arraigados e questionar nossos modelos comportamentais pode gerar a possibilidade de construir uma autêntica liberdade interior que permitirá ver “a realidade como ela é” e com a compreensão mais ampliada das coisas, perceber ganhos e perdas como um ponto de vista particular e parte do fluxo da vida. Vou trazer uma história para nos ajudar a esclarecer.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Viagem pelo nosso Clown

Angustiado, o discípulo foi visitar o seu mentor espiritual e perguntou-lhe com uma voz desanimada: - Como me posso libertar, venerado Mestre? O perceptor respondeu: - Meu amigo, e quem é que te prende, senão a tua mente? A mente é a grande amarra. A mente está repleta de obstáculos que é preciso ir ultrapassando, para completar o processo de maturidade emocional e para ir... leia mais

10 minutos

Carta aos meus filhos

Ver o Caetano Veloso com os filhos, transportou-me para o imenso e intenso universo de ser mãe. (...) pérola negra te amo, te amo No silêncio deste lugar, onde descanso o corpo e a alma inquieta, ganhei um espaço para me permitir sentir o que está para além do tão poderoso amor de mãe. Sou também assaltada pelas minhas memórias de tristeza, alegria e perdão. Porque a... leia mais

8 minutos

Imagine que....

Olá, bem-vinda/o, novamente! Nesta edição da Revista Coaching Brasil, completo o honroso convite de Luciano Lannes para escrever seis artigos. Gratidão à Revista, a ele e a você! Quero lhe propor uma reflexão desejando que você embarque nela, comigo,  para valer. E, vai ser de supetão... Vamos lá? Imagine (no campo do imaginário, tudo é possível...)  que... leia mais

6 minutos

Ouse! Ofereça-se!

Olá, como você está? Espero que tenha tido uma passagem de ano com saúde e paz! Reflito... Para eu ser cada vez melhor preciso abandonar crenças que me limitam e, nesse sentido,  criam a ilusão do eu sozinho e competitivo, padrão social a que fomos compelidos desde a infância e que nos leva a sermos competitivos, desconfiados dos outros e a lutarmos para sermos sempre vencedores e... leia mais

6 minutos

O Velho e o Novo

Terminando 2021 e começando  2022 me propondo o desafio de escrever um novo artigo. Assim, o pensamento logo migra para sobre o que escrever. Sobre o novo ou sobre o velho? Talvez um misto dos dois... Tenho em mim o velho e o novo. Começo a pensar... Completei 73 anos de existência o que significa tempo de aprendizado – sempre constante – na vida, acumulado. E, comecei mais um ano de... leia mais

6 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium