revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #11 - Abril 2014

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Sucessão em Empreendimentos Familiares

Os bastidores da saída de cena dos fundadores

Era uma vez três sapos à beira de um lago. Um decidiu pular dentro d’água. Quantos sapos ficaram na margem? O leitor provavelmente responderá “nenhum, porque os outros dois sapos seguiram o primeiro”. Na verdade, restaram três sapos. O primeiro sapo havia apenas decidido pular, mas não passou da decisão à ação.

É assim que tenho acompanhado diversos casos de fundadores de negócios familiares que tomam a decisão de passar o bastão. O que levaria um empresário bem sucedido a identificar o momento de sair de cena e passar o bastão a seus sucessores? Seria uma escolha interna, fruto de amadurecimento e compreensão dos ciclos de vida? Seria um ato deliberado? Infelizmente, na maioria dos casos não é assim. Os processos de preparação para a sucessão costumam ser longos, mas na maior parte das vezes, o momento da transferência do poder tende a ser provocado preponderantemente por fatores externos, envolvendo questões de saúde ou morte.

Apoiados por diversos profissionais especializados em elaborar o planejamento sucessório, todas as medidas recomendadas na literatura são providenciadas, planos são escritos, acordos de acionistas e de família são firmados, conselhos são constituídos, filhos e sobrinhos são enviados às melhores escolas de negócios. Muitas vezes, esses jovens passam por posições em outras empresas às quais devem ser admitidos e promovidos por mérito próprio, recebem Coaching e Mentoria. A escolha do sucessor é feita. O empreendedor ensaia passar o bastão, mas não passa. Por que é tão difícil passar da decisão à ação na passagem do comando da gestão da empresa familiar?

Tentemos iluminar os bastidores da cena sucessória, na qual o protagonista-fundador depara-se com a possibilidade da cortina final, que o despirá do papel heroico desempenhado e aplaudido por tantos anos.



Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Aprendizagem Singular: criando valor de forma ágil e consistente

Para gerar valor na Complexidade, precisamos de uma nova forma de aprender. Para suportar as intensas mudanças nos próximos 20 anos, organizações, culturas, líderes, educadores e aprendizes compreendem que é necessário criar estratégias de capacitação que não esteja limitadas ao modo de ensinar, mas no fomento da aprendizagem singular, que modifica o desempenho, amplifica inovações... leia mais

12 minutos

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos

Vamos falar em Segurança Psicológica nas Organizações?

Você já deve ter ouvido por aí sobre o conceito de segurança psicológica. Se ainda não ouviu, está na hora! A não ser que a sua organização não esteja precisando inovar, crescer em um contexto de incertezas constantes ou engajar colaboradores, então esse artigo não é pra você. Mas, se você quer saber como conectar as pessoas com o futuro, tomar decisões mais inteligentes... leia mais

10 minutos

Nossos traumas podem nos levar de volta a quem realmente somos

Trauma Talvez não soe como um assunto para a edição de feliz ano novo, por carregar um estigma de algo ruim, pesado, doloroso. Mas foi tão impactante aprender sobre esse assunto nos últimos tempos, que quero compartilhar o que venho descobrindo sobre trauma coletivo, individual e como isso pode impactar nossos processos de coaching e interação com todos os seres humanos, principalmente no... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium