revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #108 - Maio 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Dança: uma conexão com o sentir da vida

"Coloquem suas mãos no coração como eu faço e escutem sua alma, e todos saberão como dançar tão bem como eu ou minhas alunas. Lá está a verdadeira revolução. Deixem as pessoas colocarem as mãos assim nos corações e, escutando suas almas, saberão como se portar".

Isadora Duncan (1877-1927), bailarina norte-americana e pioneira da dança moderna.

Os primeiros segundos de uma música já possuem força inspiradora suficiente para fazer com que um bebê movimente seu corpo e abra um sorriso de inigualável contentamento.

Mesmo sem saber andar ou falar, esse bebê já sente que, dentro dele, algo pulsa mais forte: a sua vontade de dançar e escutar os variados ritmos e estímulos sonoros que o cercam.

Comprovadamente, nessa maneira empírica de observarmos as crianças de nossa convivência, notamos esse natural balançar. A grande pergunta, e que vai dar o tom reflexivo desse artigo, é: por que paramos de dançar? Por que nós, adultos, nos afastamos dessa relação tão espontânea? Se todos já nascemos com a dança, o ritmo e o movimento dentro de nós, como bem visualizamos nos bebês, por que paramos de acessar essas tecnologias tão inerentes ao desenvolvimento humano?

As respostas a essas perguntas são incontáveis, mas os exemplos mais recorrentes são: falta de tempo, timidez, vergonha e falta de um parceiro(a). Há, no entanto, para todas essas objeções que criamos, uma solução. Ou melhor, uma ação: a reconexão com nossa essência e singularidade.

Foi assim, em virtude da alta demanda de atividades no dia a dia e da exigência cada vez maior de uma alta performance profissional afastada do bem-estar, que criei o Método Back2Dance, que nos convoca a esse resgate da dança, uma tecnologia nativa humana que nos permite, dentre outras coisas, voltar para a casa das nossas emoções, vontades, sentimentos e habilidades, facilitando, dessa forma, a ampliação de todos os campos de nossa saúde, incluindo a mental.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Coach Digital: preparando-se para o futuro

Se você pudesse olhar por janela mental e projetar um futuro próximo, algo como entre 5 e 10 anos, o que você veria? Para auxiliar neste exercício de futurologia, procure projetar os campos da medicina, dos serviços públicos, do trabalho, educação e lazer. Anote suas respostas, guarde-as em uma capsula do tempo e defina um lembrete para abri-la no futuro. Provavelmente você acertaria... leia mais

7 minutos

As diferenças culturais como instrumento para o nosso futuro em comum, começando pelo dia de hoje

A minha melhor amiga é romena. A conheci em Portugal em 2017, no Porto, onde estava por seis meses a fazer a minha mobilidade de Erasmus+. Na altura, ela era estudante na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, enquanto eu estudava na Faculdade das Letras. Obviamente, a economia não tem nada a ver comigo, mas os diferentes interesses que nós tínhamos e continuamos a ter não são um... leia mais

10 minutos

Diferenças Culturais a partir da perspectiva do Coaching Sistêmico

O dicionário define “Diferenças” como a qualidade, característica ou circunstância que torna uma pessoa ou coisa diferente de outra. Desde a perspectiva do coaching sistêmico entendemos que nós, seres humanos, estamos relacionados e não separados ou diferenciados. Pertencemos a sistemas e somos atravessados por padrões que regem nossas decisões e comportamentos criando nossa... leia mais

14 minutos

Engajamento não é onde você trabalha e sim com quem você trabalha!

Socorro! Minha equipe remota está desalinhada e a cultura da minha empresa à deriva. Não entre em pânico. Até o início da pandemia era impensável que gatos e bebês fizessem parte do ambiente de trabalho. Mas eis que de repente, estamos nas salas e cozinhas da casa dos nossos colegas. Ficou impossível separar mentalmente estes dois universos - pessoal e profissional. Um cenário... leia mais

11 minutos

Escrevo para acariciar as memórias e para desenhar sonhos!

Num dia 31 de Dezembro, vivia o entusiasmo de estar com os meus pais, a minha irmã e os outros militares e famílias. Era uma menina doce. Tinha cinco anos, tranças louras e vestia um vestido de princesa. Os adultos tinham feito uma fogueira que, aos meus olhos, era gigante e, enquanto os músicos tocavam uma melodia que convidava a dançar e dançar, os meus amiguinhos saltavam a fogueira e... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium