revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #105 - Fevereiro 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Conselhos de um sábio para um ano bom

Quero ver os fogos lá de fora!

Foi o que eu disse em tom sorridente, já pronta para compartilhar as boas-vindas de Ano Novo. Com algumas colheradas de lentilha a caminho do estômago, retirei cuidadosamente duas sementes de romã que me escaparam dos dedos rumo à minha roupa branca imaculada. Eram para ser guardadas na carteira. Eu conhecia essa tradição desde pequena, sem nunca ter entendido qual sua relação com garantir dinheiro no bolso. Acontece que, bem na hora do 3 – 2 – 1, uma sensação fulminante dirigiu toda a minha atenção aos meus pés. Estavam repletos de formigas que acabei pisoteando distraidamente em seu discreto lar, em pleno jardim. Danou-se, pensei, logo que consegui apagar o fogo do ácido fórmico que me corria pelas veias dos pés e pernas. Não estava lamentando exatamente a dor que senti, nem as marcas que ficariam na pele por um tempo. Meu incômodo maior foi imaginar a possibilidade de ter trazido mau agouro para o meu novo ano quando o adentrei com o pé esquerdo, literalmente, no formigueiro.

Não, caro leitor, asseguro que minha distração nada teve a ver com as agruras que enfrentamos nesses dois últimos anos. Isso já tem um tempo que aconteceu. E o ano que vivi após aquela famigerada virada não foi diferente de nenhum outro, nem pelos momentos alegres, nem pelos tristes. Não foi mais nem menos surpreendente do que outros que vivi. Então, por que cheguei a me preocupar com o acontecido, como se isso pudesse direcionar minha boa ou má sorte do ano vindouro?

Stuart A. Vyse, autor do livro “Believing in magic: the psychology of superstition”, afirma que por trás desses tipos de crenças está a conhecida necessidade humana de querer controlar todos os aspectos da vida. E por que nos comportamos assim? Acontece que somos movidos por uma emoção universal que é o medo, especialmente do que desconhecemos. Vai daí que, em circunstâncias incertas, se você se engaja em algum ritual, pode se sentir melhor ou aliviado, embarcando em uma espécie de “ilusão do controle”, mesmo que conscientemente você não esteja nem um pouco preocupado com qualquer explicação racional para isso.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

A Generatividade é a sua Superpotência: Celebre a vida com toda a potência

Para incorporar sua superpotência, a generatividade é um convite para você diminuir a velocidade, ficar quieto, ouvir profundamente, pausar, ouvir novamente, receber algo desconhecido no seu espaço em branco e esteja com ele, abrindo-se para o que poderia surgir que é novo e fresco.  Reconheço que essas palavras são fáceis de escrever e provavelmente de ler.  As práticas para... leia mais

10 minutos

Liberte-se do que te faz mal

Alguma vez você teve dificuldade de se desvencilhar de uma roupa que você não usa mais só por que ela foi custou caro? Ou continuou a assistir um filme que você estava odiando só porque o ingresso já estava pago? Vários autores já identificaram a tendência de insistirmos em continuar investindo em coisas que nos fazem infelizes ou que tem um impacto negativo em nossas vidas com a... leia mais

9 minutos

Segurança Psicológica de Times e trabalho híbrido, uma conexão promissora

Praticamente dois anos após o isolamento social da maioria da população, com o avanço da vacinação e, assim, do controle da pandemia, grande parte das corporações já definiu como será seu “novo normal”. Aproximadamente 75% das empresas, de acordo com pesquisa da Great Place to Work, optaram por adotar o modelo híbrido de trabalho, que significa trabalhar presencialmente em parte do... leia mais

11 minutos

Ano novo, coração novo: uma viagem de volta ao presente

Quem é que não tem uma ferida no coração?  Todos os corações da Terra, em maior ou em menor grau, possuem, cada qual, suas dilacerações. Todos sangram, pois é natural da vida ferir-se, e ainda assim, seguir caminhando. No entanto, existe um acontecimento mágico, que ocorre uma vez por ano, em uma data especial - um rito de passagem que perpassa o coração de cada ser humano, e o... leia mais

14 minutos

O caminho para a presença no Coaching

(Science - The Way of the Mindful Coach) Este é o registro que ofereço da excelente apresentação feita pela Dr. Colleen Lightbody, MCC, PhD. Os seguintes objetivos foram propostos para a apresentação: • Entender mindfulness, cuja tradução literal pode ser “atenção plena”, como um conceito holístico, envolvendo corpo, razão, emoção e espírito, que permite ao coach... leia mais

14 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium