revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #105 - Fevereiro 2022

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Nossos traumas podem nos levar de volta a quem realmente somos

Trauma

Talvez não soe como um assunto para a edição de feliz ano novo, por carregar um estigma de algo ruim, pesado, doloroso. Mas foi tão impactante aprender sobre esse assunto nos últimos tempos, que quero compartilhar o que venho descobrindo sobre trauma coletivo, individual e como isso pode impactar nossos processos de coaching e interação com todos os seres humanos, principalmente no pós pandemia. Todas as pandemias acabam. Essa também acabará.

Iremos viver algo que alguns especialistas ([1]) chamam de trauma em massa, ou trauma coletivo. Algo dessa escala não foi vivido desde a segunda guerra mundial. E os efeitos traumáticos podem repercutir na sociedade por anos, talvez gerações. A boa nova é que a nova ciência do trauma pode responder para a escala global do problema. E nós, profissionais de coaching, professores, líderes, pais, filhos, amigos... podemos usar ferramentas que estão sendo disponibilizadas em larga escala para ajudar a fazer sentido de tudo isso. Talvez os profissionais de saúde mental não deem conta sozinhos do que está por vir sem colapsar o sistema. Vamos juntos então colaborar para criar uma sociedade mais harmoniosa e compassiva se informando sobre esse assunto?

Coletivo x Individual

O trauma é um conceito muito mais sutil do que eu imaginava. Nem sempre provém de um evento de alta gravidade, como violência, guerras e genocídios. Também não estou falando do transtorno do estresse pós-traumático (TEPT), que só profissionais de saúde mental podem tratar. Thomas Huebl ([2]), estudioso, autor e facilitador que integra conhecimentos ancestrais espirituais com a ciência, se aprofundando nas últimas 2 décadas em mecanismos de cura do trauma coletivo, define trauma de forma simples: não é a experiência dolorosa em si, mas o que acontece dentro de nós como resposta a uma situação traumatizante e que sobrecarrega nosso sistema nervoso.

David Trickey, psicólogo e representante do Conselho de Trauma do Reino Unido, diz que, mesmo nossas tragédias do dia a dia podem ser potenciais disparadores de trauma, então, não depende tanto da intensidade do evento, mas da nossa capacidade de processar o que aconteceu. Nossa forma de fazer sentido dos acontecimentos não é uniforme e pode não haver uma relação direta entre a força dos nossos sistemas de crenças e nossa propensão ao trauma.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Saúde na sua plenitude

O que é ter uma vida com saúde plena? Será apenas a ausência de sintomas e doenças? Talvez quando tivermos alcançado a tríade físico – mente – espírito de maneira equilibrada poderemos dizer que estamos vivendo a vida, não apenas sobrevivendo. A saúde na sua plenitude pode ser uma utopia. Essa busca é constante e não existe um fim na nossa jornada neste plano. O equilíbrio... leia mais

13 minutos

As diferenças culturais: entre belo sonho e pesadelo

França, Alemanha, Itália, Bulgária, Argentina, Holanda, Roménia, Brasil.  Foram as palavras que encerraram a reunião de criação da capa desta edição da revista. São os países de onde os autores do dossiê estavam a falar. A nossa reunião acaba e fico num estado de graça. O nosso grupo é o símbolo, a ilustração perfeita das diferenças culturais. Um exemplo de como... leia mais

13 minutos

Vamos falar em Segurança Psicológica nas Organizações?

Você já deve ter ouvido por aí sobre o conceito de segurança psicológica. Se ainda não ouviu, está na hora! A não ser que a sua organização não esteja precisando inovar, crescer em um contexto de incertezas constantes ou engajar colaboradores, então esse artigo não é pra você. Mas, se você quer saber como conectar as pessoas com o futuro, tomar decisões mais inteligentes... leia mais

10 minutos

Feliz Ano Novo? Não tenha esperanças

Como alguém que aprecia uma boa aventura, sempre que penso em Ano Novo, imagino uma viagem para um lugar inédito. Ao mesmo tempo em que meu íntimo é inundado pelo entusiasmo e excitação de logo colocar o pé na estrada, meu senso de responsabilidade me deixa alerta em relação a preparação, procedimentos de segurança e o planejamento. Em toda viagem, seja ela curta ou longa, precisamos... leia mais

11 minutos

Coaching executivo: gestão do relacionamento entre coach, cliente e a organização

(Work – Executive Coaching: Managing relationships between coach, client and organization) Fiquei muito honrada em contribuir para o diálogo sobre coaching na Converge21. Minha apresentação foi sobre os principais relacionamentos presentes em coaching executivo: a relação entre a cliente e a coach; o relacionamento entre a cliente e a organização; e a relação entre a coach e a... leia mais

13 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium