revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #101 - Outubro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Pais imperfeitos, filhos resilientes: o poder da autocompaixão

Apesar de conhecido como fundador da psicologia positiva, meu professor de mestrado, Martin Seligman, construiu a carreira estudando depressão. E como um bom pesquisador, nos incentivava a refletir sobre perguntas para as quais ele ainda não havia encontrado respostas. Uma das mais recorrentes era: por que estamos deprimindo cada vez mais? Por mais que o mundo tenha muito espaço para mudanças positivas, os indicadores econômicos e sociais têm melhorado ao longo dos anos. Hoje temos maiores índices de alfabetização, menos fome, menos desigualdade de gênero e menos miséria do que há 70 anos. Ainda assim, as estatísticas de depressão são crescentes.

Quando estudei os dados, senti uma pontada no estômago. Pesquisas epidemiológicas feitas com mais de 600 mil pessoas nos Estados Unidos, mostram que não somos todos que estamos deprimindo mais. Os responsáveis pelo aumento da estatística são principalmente os adolescentes e jovens entre 12 e 23 anos. Entre 2009 e 2017, por exemplo, a depressão aumentou 66% entre adolescentes de 12 a 17 anos. A automutilação entre meninas de 10 a 14 anos triplicou neste período.  Não temos as estatísticas brasileiras, mas ao que tudo indica, nosso cenário não é muito diferente disso. E o que torna as estatísticas ainda mais preocupantes é que quanto mais cedo acontece o primeiro episódio depressivo, maiores chances que a doença agrave ao longo da vida e que os episódios sejam recorrentes.  

É preciso adolescer sem adoecer

Além de trabalhar com orientação parental, eu tenho dois filhos. Muito mais que um desafio intelectual, investigar as razões por que os adolescentes estão sofrendo tanto passou a ser uma prioridade para mim. Fato é que a adolescência é uma fase difícil por definição. Mas adolescer hoje em dia é ainda mais complicado. Considere a combinação destes quatro fatores.

• Primeiro, temos tido cada vez menos filhos. Por isso os superprotegemos, prejudicando o desenvolvimento da capacidade de enfrentarem seus próprios desafios.

• Segundo, desejamos que eles tenham uma vida mais bem sucedida do que a nossa e por isso superinvestimos no sucesso dos poucos que habitam a nossa casa. O resultado é que eles se sentem pressionados para corresponder às expectativas que são altas demais.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Empatia Eficaz: a chave para o coaching transformacional

(Practice – Accurate Empathy: the key to masterful coaching) A palestra aconteceu em um tom de conversa informal, com muita maestria pessoal e toques de emoção genuína por parte do Dr. D Ivan Young. Algumas ideias centrais merecem estar neste texto, não por serem novas, mas por trazerem profundidade no tema e desafios gigantes para os coaches que desejam fazer a diferença na... leia mais

14 minutos

O que significa ser “alfabetizado em futuros”?

Ser alfabetizado no futuro significa compreender que existem diferentes sistemas de antecipação. São diferentes maneiras de imaginarmos o futuro e diferentes razões para imaginar o futuro. A proposição básica é que o futuro só́ pode ser imaginário. Precisamos entender por que e como nossa imaginação criou imagens do futuro, baseando-se em suposições ou molduras. Portanto, para... leia mais

8 minutos

Há (muita) vida após a Burnout

Eu vi o chão sumir debaixo dos meus pés. Perdi a direção. Perdi o ânimo. Perdi a confiança em mim mesma e nas pessoas. Foram cinco anos de dor, de exaustão, de promessas mágicas de cura, de destruição da minha autoestima, de traumas e de lutos. Luto por quem eu achava que era, luto pelo ambiente que me adoeceu, luto pela cultura que glorifica o excesso de trabalho e... leia mais

13 minutos

Métodos de Grupos e suas diferenças para ativar a Inteligência Coletiva

‘A colaboração é o ato físico de fazer conexões novas e inéditas. Quando duas ou mais pessoas trabalham juntas por um objetivo compartilhado, o resultado do trabalho é diferente da soma das contribuições.” Benjamin Hardy Existem muitos métodos de trabalho em grupo que têm como objetivo estimular a troca de saberes, a colaboração e a inteligência coletiva a partir de... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium