revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #101 - Outubro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Autocompaixão e autocuidado para quem cuida

Você já parou para pensar quanto do seu tempo é dedicado ao cuidar?

Se pensarmos bem, o cuidado permeia toda a nossa vida e os nossos relacionamentos, seja no contexto pessoal, familiar, social ou profissional. Ora estamos cuidando de alguém ou de nós mesmos, ora precisamos ser cuidados, noutras vezes, todas estas se intersectam. No entanto, é muito importante compreendermos  que cada uma dessas esferas deve ter o seu próprio espaço, preservado e respeitado ou, caso contrário, podemos nos gerar um grande desequilíbrio.

Quando alguém que amamos necessita de cuidado, não hesitamos em oferecê-lo imediatamente. Isto certamente demandará uma mudança em nossa rotina, adaptações e uma maior disponibilidade física e emocional. E então, aqui deve entrar a necessidade de delimitar aquele espaço que podemos dispor para este cuidado, que neste momento pode até estar expandido, porém ele não deve sobrepor o nosso autocuidado, de forma que ele fique completamente comprometido. Não é incomum que o nosso espaço pessoal seja o primeiro a ser negligenciado e no fim, nós mesmos pagamos um alto preço por isto.

Nos olhar e nos cuidar não deve ser estigmatizado como egoísmo, nem deve ser secundário, afinal, como podemos efetivamente cuidar de alguém, oferecendo nosso tempo, atenção e amor se nós mesmos não estamos bem ou se adoecemos? Como Lama Michel Rinpoche 1 diz “quando faço algo por mim estou fazendo para os outros e quando faço pelos outros, estou também fazendo por mim”. Ter esta compreensão deve nos impulsionar a priorizar cuidar de nós mesmos, sem culpa.

A culpa pode ser pesada, avassaladora. Por nos sentirmos culpados no momento em que não estamos cuidando de alguém que precisa, ou culpados por nos sentirmos cansados, ou ainda por pensarmos não estarmos fazendo o suficiente, frequentemente acabamos ultrapassando nossos próprios limites. Por culpa também, podemos não aceitar ou nos abrir para sermos cuidados, quando somos nós que estamos do outro lado. Podemos sentir culpa também por pensar que não nos cuidamos o suficiente. E assim a lista vai... Ou seja, a culpa pode ser uma grande vilã nesta dinâmica, que distorce nossa visão sobre o que estamos realizando dentro das nossas reais possibilidades.

Para ler este artigo completo...
é necessário, pelo menos, criar seu conta gratuita.
Faça seu login Crie sua conta gratuita ou Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Visão Ampliada sobre Indivíduos, Grupos e Times

Crescemos como indivíduos à medida que refletimos sobre nossas experiências e vivências e seus impactos sobre as outras pessoas. E ao interagirmos com outros indivíduos lidamos com situações de confronto ou mesmo de cooperação, defrontarmo-nos com nossos limites, capacidades e necessidades. Nessas interações emergem múltiplas de possibilidades e, a mais impactante é a compreensão de... leia mais

14 minutos

Burnout e stress são sinônimos?

Burnout descreve sintomas decorrentes basicamente de stress ocupacional, ligado a situações de trabalho. Como agora é reconhecido como uma doença ocupacional, as empresas estão mais atentas a sua incidência e fatores precipitadores do burnout.  Seus sintomas característicos se enquadram em três categorias que são:  • Sensação de exaustão emocional, • Redução de... leia mais

13 minutos

O Codesenvolvimento – uma ferramenta de transformação cultural

A experiência nos mostra que o maior desafio de um projeto de transformação cultural está na capacidade dos responsáveis pelo programa em proporcionar condições para que a transformação seja profunda e perene. Watzlawick, em sua obra «Changements, Paradoxes et Psychothérapie, Watzlawick, et al., 1975» nos ensina que existem dois tipos de transformação nos sistemas humanos : a... leia mais

13 minutos

Fazendo arte!?

“A noite parece adentrar-se profundamente, Somente no interior resplandece clara luz.” J. W. Goethe A leitura deste artigo já pode ser uma jornada sobre o tema, uma experiência, uma vivência de experimentação e exploração do mundo das forças da vida, da criação. Assim, para iniciar, convido para uma experiência de centramento. Sente-se de forma... leia mais

14 minutos

Bem-dizer a autenticidade

Ninguém duvida que o mundo seria um lugar melhor se as pessoas se comunicassem com respeito, empatia e cuidado consigo mesmas e com os outros. A Comunicação Autêntica surge como uma prática recente, que procura dar conta desse ideal, ou propósito. Suas práticas são tão diversas quanto seu corpo conceitual, que tem inspirações desde a Psicologia Humanista, de Carl Rogers, até a... leia mais

11 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium