revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Edição #101 - Outubro 2021

Localize rapidamente o conteúdo desejado

Autocompaixão e autocuidado para quem cuida

Você já parou para pensar quanto do seu tempo é dedicado ao cuidar?

Se pensarmos bem, o cuidado permeia toda a nossa vida e os nossos relacionamentos, seja no contexto pessoal, familiar, social ou profissional. Ora estamos cuidando de alguém ou de nós mesmos, ora precisamos ser cuidados, noutras vezes, todas estas se intersectam. No entanto, é muito importante compreendermos  que cada uma dessas esferas deve ter o seu próprio espaço, preservado e respeitado ou, caso contrário, podemos nos gerar um grande desequilíbrio.

Quando alguém que amamos necessita de cuidado, não hesitamos em oferecê-lo imediatamente. Isto certamente demandará uma mudança em nossa rotina, adaptações e uma maior disponibilidade física e emocional. E então, aqui deve entrar a necessidade de delimitar aquele espaço que podemos dispor para este cuidado, que neste momento pode até estar expandido, porém ele não deve sobrepor o nosso autocuidado, de forma que ele fique completamente comprometido. Não é incomum que o nosso espaço pessoal seja o primeiro a ser negligenciado e no fim, nós mesmos pagamos um alto preço por isto.

Nos olhar e nos cuidar não deve ser estigmatizado como egoísmo, nem deve ser secundário, afinal, como podemos efetivamente cuidar de alguém, oferecendo nosso tempo, atenção e amor se nós mesmos não estamos bem ou se adoecemos? Como Lama Michel Rinpoche 1 diz “quando faço algo por mim estou fazendo para os outros e quando faço pelos outros, estou também fazendo por mim”. Ter esta compreensão deve nos impulsionar a priorizar cuidar de nós mesmos, sem culpa.

A culpa pode ser pesada, avassaladora. Por nos sentirmos culpados no momento em que não estamos cuidando de alguém que precisa, ou culpados por nos sentirmos cansados, ou ainda por pensarmos não estarmos fazendo o suficiente, frequentemente acabamos ultrapassando nossos próprios limites. Por culpa também, podemos não aceitar ou nos abrir para sermos cuidados, quando somos nós que estamos do outro lado. Podemos sentir culpa também por pensar que não nos cuidamos o suficiente. E assim a lista vai... Ou seja, a culpa pode ser uma grande vilã nesta dinâmica, que distorce nossa visão sobre o que estamos realizando dentro das nossas reais possibilidades.

Para ler este artigo completo...
Faça login ou conheça as vantagens de ser premium.
Faça seu login Veja as vantagens de ser Premium
Gostou deste artigo? Confira estes da mesma coluna:

Cultura organizacional: mudar ou transformar?

Definir o que é cultura organizacional não é algo trivial e simples e muito mais complexo e trabalhoso é o processo de intervenção visando sua transformação. Para começar a conceituar, parto da premissa de que cultura é o conjunto de crenças, valores, comportamentos e práticas de uma organização, construídas e sedimentadas ao longo do tempo, de maneira deliberada ou não. ... leia mais

11 minutos

E você, tem medo do que?

Me sinto honrado e grato pelo convite feito pelo querido Ricardo Farah para escrever nesta importante Revista capitaneada por meu amigo Luciano Lannes.  É minha terceira incursão neste tema que muito me cativa e toca meu coração. Espiritualidade. Hoje falarei sobre o medo sob a ótica da Doutrina Espírita. Contextualizando: A Doutrina Espírita foi codificada por Hippolyte Leon... leia mais

12 minutos

O potencial transformador do Coaching aplicado à educação executiva

Cada vez mais observamos executivos bastante pressionados, buscando resultado para suas operações que competem com novos modelos de negócio, com novas demandas de ESG e inovação, precisando desenvolver competências relacionadas à indústria 4.0, tomar decisões num mundo VUCA/BANI e liderar pessoas de diversas gerações no mesmo ambiente de trabalho. Portanto, profissionais expostos a... leia mais

12 minutos

O tempo é agora: dê o passo em direção à sua felicidade

O ano era 2015 e eu estava a pleno vapor me dividindo entre 3 atividades profissionais, uma nova graduação, além da jornada de mãe de 3 filhas e dona de casa solo. Me sentia energizada, num ritmo frenético que fazia sentir-me viva e super bem. A enxaqueca me pegava sempre, mas isso era herança genética, nada que uma alta dose de analgésicos não resolvesse. Havia também uma certa... leia mais

9 minutos

Diversidade cultural: o que nos torna verdadeiramente ricos

Neste mundo globalizado, ser diferente é o que nos torna únicos, mas também semelhantes. E quando falamos de diferenças estamos praticamente falando de diferenças culturais. Mas o que exatamente é cultura? E a que nos referimos com o termo "diversidade cultural"? Nós italianos, também, pelas mesmas razões, vivemos em um país extremamente heterogêneo: no Norte, no Centro e no Sul... leia mais

10 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium