revista-coaching-brasil-logo-1 icon-bloqueado icon-busca icon-edicoes icon-login arrow-down-sign-to-navigate

Blog

Localize rapidamente o conteúdo desejado

COMO AUMENTAR SEU REPERTÓRIO EM COACHING

Luciano Santos Lannes Por Luciano Santos Lannes em 21/11/2018

Peter Drucker disse que a melhor forma de se prever o futuro é criá-lo. Faz todo sentido quando diz respeito a nossa vida e a temas sobre os quais temos alguma influência e domínio.

Entretanto, quando trabalhamos com nossos coachees, eles, frequentemente, nos surpreendem com frases, posturas, ideias, posições, para as quais ficamos sem ação naquele momento. Como podemos nos preparar para situações deste tipo?

Aumentando nosso repertório de experiências.
O mais interessante quando falamos em pessoas e experiências é que não precisamos necessariamente passar pela experiência, de forma literal, para tirarmos aprendizado dela. Por exemplo, se estamos na praia e vemos uma pessoa nadando a determinada distância e não conseguindo retornar à praia, sendo necessário que o salva vidas vá buscá-la e trazê-la em segurança de volta, não precisamos entrar no mar para compreender que há risco de sermos levados pela correnteza. Aprendemos com o outro, com a experiência do outro. 

Esta capacidade do ser humano é fantástica e nos economiza muita dor, tempo e dinheiro.

A Revista Coaching Brasil tem exatamente este propósito, o que trazer informação, que se traduz em experiências para nosso cérebro e que nos permite traçar cenários, fazer paralelos, cruzar dados e, interiorizar conhecimento. Tudo através da leitura. Não é fantástico?

Veja este exemplo. Em nossa seção “Um outro olhar” um coach experiente analisa uma questão e apresenta uma reflexão sobre ela.
Em nossa edição 24, de maio de 2015, Claudia Gonçalves fez esta reflexão. Leia este artigo na íntegra abaixo.

Claudia Miranda Gonçalves
Coach e consultora sistêmica,
psicóloga e consteladora organizacional
e.humano@gmail.com

Nossa coach Maria nos traz o seguinte caso: – Estou iniciando no coach e ainda tenho certas dificuldades em meus encontros. O mais sério, que trago em busca de “um outro olhar”, é que meus coachees são muito travados para definir tarefas e ações para após os encontros e ai eu acabo dando a tarefa, por aquilo que eu “acho” que surtirá mais efeito. Sei que estou sendo diretiva, que tenho que preservar uma postura neutra, mas não sei se é por causa de uma vida inteira opinando sempre que não consigo me calar. Estou totalmente errada? Como posso mudar minha postura?
A questão que a Maria traz sobre a dificuldade dos clientes em definir tarefas e ações para após os encontros é muito interessante e não ocorre apenas com coaches menos experientes. Dito isso, não necessariamente é uma dificuldade do coach, mas antes do coachee. Dentro de uma visão mais tradicional, nós nos faríamos as seguintes perguntas: – Este sentimento de ansiedade ou de necessidade de ser diretiva é meu mesmo ou tem algo a ver com o coachee? – Se for meu como coach, o que este sentimento tem como função? – Qual seu benefício? – Se for reflexo de algo do coachee, posso compartilhar meu sentimento e observar sua resposta? – Quando sou muito diretiva, que aspecto de minha identidade está atuando? – Que imagem faço de mim enquanto coach? – Para ser a (o) coach que imagino, quem devo me tornar? Eu especialmente gosto muito de pensar sobre isto, porque assim também entro em contato com minhas crenças e necessidades. Ao me conhecer melhor como coach, posso também entender melhor meus pontos fracos! Essa dificuldade do coachee em estabelecer ações ou tarefas pode indicar alguma resistência? O que esta resistência pode representar? A dificuldade pode ter a ver com um choque com valores ou crenças do cliente em relação a meta. Há clareza sobre a meta? Como estão seus “sentir, pensar e agir” em relação a meta? Quem mais será afetado por sua meta? Como coach, eu consigo abrir espaço para conviver e dar continência às dificuldades do coachee? Se eu não consigo, qual a consequência? Que mensagem isso passa para o coachee? Consegui de forma clara explicar ou oferecer critérios de como se constrói uma boa tarefa? Dei exemplos? Pode ser que o coachee queira me agradar ou me impressionar e acaba se bloqueando? Será que ele imagina que exista certo ou errado para as tarefas? Ao olhar esta dificuldade como algo que acontece entre coach e coachee, podemos ter mais insights do que se olharmos a dificuldade como estando em um ou em outro como sugerem as perguntas acima. É a interação entre coach e coachee que aqui podemos analisar. O que trago de meus contextos que pode afetar a forma que peço ao coachee para definir uma tarefa? O que acredito sobre ele quando peço que defina sua tarefa? Como o vejo?
Pode ser que como coach, inconscientemente, eu esteja vendo o coachee como alguém menos capaz que precisa de ajuda – e não surpreende que ele não consiga especificar uma tarefa. Ou ainda, que seja alguém que não tem clareza ou é confuso. E meu julgamento sobre o coachee também influencia na resposta que ele dará. Pode ser que eu imagine que como coach tenha que ser amplamente responsável pelo sucesso do processo, por conduzir uma sessão perfeita! Aqui há o risco de assumir a responsabilidade pelo cliente. Mas, o que acontece quando assumo a parte do cliente? Este tipo de ajuda realmente ajuda? Será que no fundo não estou subliminarmente lhe subtraindo a autonomia? Portanto, não importa se somos coaches experientes ou inexperientes, sempre precisamos estar alertas ao que se passa dentro de nós. Escutar também nossos diálogos internos e sempre nos questionarmos se o que estamos sentido é nosso ou do coachee. Este estado de alerta pode nos manter mais presentes, mais abertos a perceber o tecido invisível sendo tramado durante as sessões. Se não nos atentamos ao terceiro elemento presente na sessão – este tecido invisível – podemos correr o risco de agirmos em nosso piloto automático; e o coachee também. E então não haverá mudança nem sucesso no processo de coaching de forma sustentável e perene. Manter uma visão sistêmica, ou seja, estar aberto a olhar as diversas dimensões e contextos que atuam na sessão de coaching é um ingrediente importante para possibilitar a mudança que o coachee busca. Na sessão temos a interação do coachee com o coach, o contexto de cada um, as metas e a relação que ocorre entre os dois e seus contextos. Se estivermos atentos também ao sentir – a tarefa está mais claramente conectada com o pensar e agir – quem sabe destravamos? Finalmente, uma última provocação: que sentimentos e padrões se ver como uma coach inexperiente desperta em você, Maria? Alternativamente, que padrões e sentimentos se ver como uma coach mais experiente lhe traria? Qual a diferença?

Viu como saímos deste texto com outras opções, com outras visões?

Este é o poder que o compartilhar de experiências nos traz.

Como nosso assinante você terá mais de 750 artigos, casos, estudos e reflexões para levar você a um outro padrão de performance.

Vem conosco, assine e desfrute de um novo mundo de informação e conhecimento.

Grande abraço,

Luciano Lannes Editor

Veja mais:

Aqueles nove anos poderiam ter sido seis meses

Muitos já conhecem um pouco de minha história. Trabalhei em uma grande multinacional alemã por 20 anos, antes de sair para montar meu próprio negócio na área de desenvolvimento humano. Aos olhos da família e amigos um exemplo de sucesso e conquistas. Aos olhos de meus pais, em particular, ambos funcionários públicos, a certeza de uma vida segura, estável e feliz. Aos vinte e um anos,... leia mais

Janeiro 2020
12 minutos

UMA REVISTA FEITA PARA QUEM TEM TEMPO PARA LER

Se você estranhou o título deste post, e já acha que não é para você pois não tem tempo, calma que no final da leitura tudo vai ficar claro.   Nós, da Revista Coaching Brasil, somos produtores de conteúdo em uma época onde o que não falta na internet e nas livrarias é… conteúdo. Este fenômeno do excesso de conteúdo tem causado uma série de... leia mais

Outubro 2019
5 minutos

O QUE FAZ UM COACH, CONSCIENTE?

Uma pergunta interessante em tempos em que o Coaching é tão falado, comentado e com a imagem tão abalada. Trazemos a figura do “consciente”, que ao longo do texto você compreenderá a origem, para diferenciá-lo do “picareta”. Para que você possa ter mais elementos nesta análise, liberei três edições na íntegra para leitura. A edição 8 de janeiro de 2014 com a chamada... leia mais

Setembro 2019
10 minutos

QUEM PRECISA DE COACHING?

Antes de pensarmos em “quem precisa de Coaching”, é interessante lembrarmos os conceitos de Coaching. Para Timothy Gallwey: “Coaching é uma relação de parceria que revela/ liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o desempenho delas. É ajudá-las a aprender ao invés de ensinar algo a elas …” Na edição número 1 da Revista Coaching Brasil, cuja matéria de... leia mais

Julho 2019
2 minutos

QUANTO TEMPO DURA UM PROCESSO DE COACHING?

Extrato do artigo de Danilo Prado na edição 3 da Revista Coaching Brasil. Assinantes tem acesso completo a este e a todos os outros artigos. Tenha uma excelente leitura. ………Normalmente os coaches trabalham com 10 encontros, com duração de 60 a 90 minutos cada. Podemos até prorrogar com mais 1 ou 2 encontros, caso seja necessário. O intervalo ideal entre os... leia mais

Julho 2019
4 minutos
O melhor conteúdo sobre Coaching em língua Portuguesa
a um clique do seu cerébro
Seja Premium